Obrigada pela sua presença no Blog do Mãos Que Curam!

Obrigada pela sua presença no Blog do Mãos Que Curam!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Aceita que dói menos...


Não tente mudar uma pessoa, mas também não aceite qualquer uma e qualquer comportamento. Há comportamentos que são primordiais para um bom relacionamento amoroso e só quem realmente ama e deseja estar junto faz questão de manter isto, por mais que um dia não agisse desta forma. A presença do outro muda o outro, porque são os bons exemplos que movem multidões.
Se você muda e mantem sua mudança sob qualquer tempestade o outro é inspirado a fazer o mesmo para manter sua linda companhia... Se o outro não está disposto a manter esta lei primordial, vá você buscar outra alma que está pronta para te receber e te manter entre respeito, amor e concessões para o bem de ambos.
Bom dia ... e pare de tentar moldar alguém para você, quem realmente está destinado para estar ao seu lado vai fazer as concessões necessárias para ambos evoluírem juntos e pelo amor.

Ressignifique...



Não aceite ser o próprio construtor da rotina que te mata todos os dias, por anos... E muito menos aceite fazer parte de uma rotina que mata dois ao mesmo tempo, sem que ambos percebam que empenharam todas suas forças e construíram uma vida de "contas para pagar e pensar todos os dias, uma vida em que passam um pelo outro dentro de casa e as risadas morreram e os abraços roubados ficaram escondidos em algum canto escuro deste relacionamento que pede socorro todos os dias e vocês fazem questão de fazer que não ouvem... Desconstrua a vida de "pré- ocupações", de problemas em tudo, de lutas diárias e cansaço e ressignifique seus conceitos sobre vida e vida a dois.
Vida é o que pulsa no seu coração, é a intensidade que sua alma grita que quer viver e vida a dois... Bem, na minha opinião vida a dois é onde esta pulsação dupla se encontra e explode em felicidade e o resto que não nos pertence que o universo de seu jeito de fazer acontecer.
Fica a dica com todo meu carinho... Pois viver a morte em vida e ver o outro ao lado morrer em nossa história é a pior forma de viver sobre a face da terra. Levanta e sacode as velhas concepções e crenças sobre o que você veio viver e faça um favor a si mesmo: - Viva de verdade e com um baita sorriso neste rosto lindo!!



Paula Aguerre Aguerre/ Psicoterapeuta Transpessoal.

Autoconhecimento já!!



Você já parou para refletir que talvez quem tenha que mudar é você?
Parar de endeusar alguém;
Parar de espernear;
Parar de repetir sempre a mesma ladainha;
Parar de atrair gente e situações que se repetem uma vida inteira;
Parar de atrair um chefe ou emprego que não te faz nem suspirar de contentamento;
Parar de achar que está sempre com a razão;
Parar de pensar sempre negativo;
Parar de fazer tudo por alguém e acabar se intrometendo na evolução deste ser;
Parar de se sentir preso;
Parar de dizer que tomou uma decisão, mas nunca a leva adiante;
Parar de fazer que está vivendo;
Parar de sonhar e nunca deixar chegar;
Parar de ficar enfurnado em um relacionamento que não te faz nem cócegas;
Parar de crer que amanhã vai ficar tudo bem e este amanhã nunca chega;
Parar de prometer o que não pode cumprir;
Parar de passar panos quentes em quem te fere e você continua alimentando;
Parar de viver a vida dos outros;
...
Só é escravo aquele que se sente e se comporta como tal. A primeira missão que você acordou LÁ EM CIMA, foi a de mostrar a você mesmo que você tem o direito de viver a vida dos seus sonhos e que seu autoconhecimento vai lhe dar de presente, sem dores desnecessárias, esta vida de sonhos. Acorde da alienação em que você está e comece a atrair as oportunidades para viver esta vida tão sonhada.


Dica de ouro: Primeiro você... Segundo você... Terceiro você...
Enquanto você não estiver bem e vivendo o que realmente sabe que traçou, você não vai ter qualidade para atrair o que quer e nem ajudar quem você tanto deseja.

Bom dia !!
‪#‎autoconhecimentojáááá‬!!

Viva para desarmar...



- O que você faz da vida?
(A pessoa me pergunta com ironia e enfado).
-Ensino as pessoas a terem FOCO CONSTANTE...
(Suspiro e sorrio do fundo da alma).
-E o que isto significa, significa que tu estudou todos estes anos para atender gente preguiçosa?
(Ela me olha e pergunta armada e sem curiosidade).
-Significa que as oriento e ensino a resolver tudo com muita paz...
(Ela me abraça do nada...)



OBS: Nunca entre na energia do outro, quando este outro não está bem, use a simplicidade e o resultado pode te surpreender e você poderá tocar outra alma... Não há nada mais lindo do que ter o merecimento de tocar outra alma, porque a alma é sagrada e o Guardião só permitirá que você toque - a quando suas mãos e palavras estiverem iluminadas pela boa vontade de ajudar a desarma - la.
Viva para desarmar...

quinta-feira, 2 de outubro de 2014


Eu acredito que você precise saber o que te ataca...





Há algum tempo atrás eu fui gatilho para a raiva de uma pessoa. O que eu sempre explico é: gatilhos são todas as pessoas e situações que afloram em você o que você veio curar. Então a pessoa ou situação não é a culpada, ela está ali só para te fazer ver e sentir que você trouxe algo para curar. E você veio curar o que eclodir dentro da situação ou com o contato com a pessoa: raiva, mágoa, tristeza, ódio, maledicência e tantas outras emoções negativas. Bem, durante o período do dia que transcorreu eu lidei com o mental desta pessoa, ou seja, com os ataques mentais que ela enviava. Pessoas que explodem com todo mundo, que usam da grosseria, gritos, ameaças, deveriam compreender que precisam de ajuda terapêutica, mas preferem crer que tem toda a razão de agir desta forma com quem cruzar o seu caminho.
É incrível o que uma personalidade que trás a raiva, o ódio incutidos para curar são capazes de fazer com a mente, mesmo que inconsciente. Vou contar o que esta mente enviava inconsciente: - Quero que tu morra!
Quando detectei este comando, claro, não sou boba, ahahahahah, na hora eu me protegi e iniciei um processo de conversar mentalmente com esta pessoa, o que não adiantou. Volta e meia eu me pegava discutindo com ela mentalmente, envolvida no padrão desequilibrado do que ocorreu e me corrigia. Passou um dia inteiro e o desejo desta mente invadia meu espaço. Usei as simbologias de calma, corte de sintonia, armaduras protetoras e nada...
Houve um momento em que o ataque mental foi tão intenso que eu perdi o equilíbrio e quase me machuquei... Lá fui eu traçar mais um símbolo de proteção, sabendo que era ataque externo. Respirei, conversei com o Mentor desta criatura e ela não aceitava a calmaria.
Era uma energia de opressão que eu sentia com os ataques, sabe aquele aperto no peito, aquela ansiedade estranha que não sabemos de onde vem? Pois é, muitas vezes estas sensações querem nos dizer que estamos sendo atacados externamente e não que vamos morrer de ataque cardíaco.
Sei que fui até a noite tentando ser complacente, pois eu também fico perigosa quando ultrapassam meu limite, e era o que estava acontecendo, e isto é gatilho para despertar minha personalidade EXTREMISTA, ou seja, a raiva que eu vim curar. Eu sabia que não poderia entrar na sintonia dela e a culpar pelo que eu estava sentindo, ela era o meu GATILHO, lembram? E cair na armadilha de baixar o padrão de equilíbrio para me igualar ao dela seria burrice da minha parte.
Conversei com Wal e pedi orientação, ele me disse: - Te protege, logo tu vai saber o que fazer. Foi o que fiz, atendi até a noite controlando os ataques externos.
Quando você entra em atrito com alguém, isto pode se arrastar por dias, meses, anos, uma vida toda, ambos engalfinhados mentalmente, se sentindo mal, sem entender de onde vem. A dica é: - Se proteja, não discuta mentalmente, não alimente conversas mentais com o ser, enfim, desvie seu pensamento o máximo possível do ocorrido e tente se desvencilhar.
Bem, fim de noite e a pessoa ainda envolvida em me atacar mentalmente. Respirei, pedi luz do discernimento e me posicionei de frente para ela mentalmente e perguntei: - Vai continuar me atacando?
Ela não recuou com tudo que haviamos tentado durante o dia, e não recua com ninguém, então:
Eu invoquei o meu poder, o respeito ao meu limite, que já tinha ido para o espaço fazia tempo com todo aquele ataque e disparei o que eu sei fazer de melhor: Simbologias de conscientização!!
Mandei um tsunami de luz, empurrando o ataque energético da mente desta pessoa e vi quando ela recuou definitivamente!
Wal ao meu lado disse: - Tem mentes tão arraigadas em acreditar que são donas da verdade e que ferem os outros com seus ataques verbais, físicos ou mentais e não retrocedem, que somente provando do próprio ataque que irão sossegar!
Entendi que ela ia ficar com toda a gama de ataques que estava enviando, para aprender que aquilo feria as pessoas, que aquilo não era culpa de terceiros, mas uma raiva, um ódio intenso que ela sentia de si mesma e tentava fugir de resolver, encarar, projetando nos outros, em quem cruzava seu caminho.
Quando tomei esta atitude de ser firme e mandar de volta para o campo dela os ataques tudo serenou, tudo silenciou, tudo ficou normal...
Senti muito por ter de ter sido desta forma, por esta pessoa não aceitar ajuda, mas, assim como aprendemos pela dor em alguns momentos, outros também aprendem pela dor até entender que não tem o direito, mesmo que inconsciente de invadir com ataques, sejam este quais forem, o território sagrado do outro.
Tudo passou, a ansiedade, o aperto no peito, a conversação mental, os comandos agressivos...
Mais um aprendizado...
Se você sente tanta raiva ao ponto de inflar seu corpo, os que te rodeiam não tem culpa, você precisa ter consciência e ouvir quem te ama, quando te dizem que você não está bem e precisa de ajuda. Dizer que você precisa de ajuda não é um ataque, é um gesto de amor. Se você não consegue se controlar, vou te dar a dica de ouro que dou aos meus pacientes: - Te encerra no quarto quando o surto vier, avisa o povo que não está bem e que não quer ser interrompido e "afófa" a tapa, soco, chute o travesseiro... O travesseiro e não as pessoas que te amam.
Grita com o travesseiro, dissemina seu fél com o travesseiro, fala suas "verdades desequilibradas" para o travesseiro. E só saia do quarto quando esvaziou este turbilhão, só depois disto você tem o direito de se direcionar a alguém e falar alguma coisa... com calma. Por que ninguém vai te dar ouvidos enquanto você berrar, falar o que quiser e ser grosseiro. Quando VOCÊ muda, todo o resto muda.
Aprenda pelo amor, pelo auto - esforço em se autocorrigir... Antes que alguém mais equilibrado tenha que, junto com os Mentores, deixar que volte para você o que você está enviando de ataques para os outros.

OBS: Você também pode atacar alguém e não só ser atacado, preste atenção nisto e mude seu foco mental.

Fica a dica para refletir.
Bom dia!!

Gente viva contratando assassinato com gente morta, no Submundo?



Esta semana atendi um paciente e no momento do escaneamento energético fomos identificando pontos comprometidos, ou seja, órgãos com excesso energético. Os olhos e pâncreas eram os mais comprometidos. Enquanto eu estava concentrada em fazer a drenagem energética para que não ocorresse uma lesão física ou orgânica, um espírito com vestes negras ficava ao lado, me observando e vez ou outra interferindo com sua mente no meu trabalho. Olhei Wal concentrado trabalhando e perguntei se o que eu começava a ver era real, pois fiquei duvidosa e receosa ao mesmo tempo, o que eles me deixavam ver era grave demais para não se ter o cuidado de averiguar profundamente. Wal me pediu concentração, o que para a Paula é como pedir que não questione por alguns minutos.
Procurei obedecer, mas confesso que minha mente teimava em ser racional e questionar o que me deixavam ver.
- Wal, como que eu vou dizer uma coisa destas para uma pessoa?
-Como que vou ter certeza, vai que a pessoa encasqueta com esta informação e acaba fazendo errado a orientação?
- Como vou falar isto, vai que o paciente acha que sou louca ou quero ganhar dinheiro com esta questão, porque a pessoa pode ficar apavorada e querer vir fazer escaneamento toda hora? Acho melhor não contar nada e a gente tentar ajeitar isto!!
Wal nem me olhou naquele turbilhão que eu estava, continuou ali, cabeça baixa, removendo sei lá o que, porque tem coisas que ele faz ali que minha vã filosofia nem desconfia, ou iria entender.
Continuei fazendo meu trabalho e me concentrando para fazer as remoções do que competia a mim e acabei achando uma sonda astral, ou seja, um treno feito de
energia, conectado ao pâncreas do paciente que estava ligada ao "moço de negro" ao lado. Quando identifiquei a sonda já começaram as ameaças e ele iniciou um processo de me confundir para que eu não entendesse o que estava fazendo com o paciente. Aí a briga para ver quem conseguia mais foi acirrada, porque ele me fazia pensar em tudo que era coisa para não ajudar o paciente.
Fui seguindo em frente e consegui remover a sonda que conectava os dois e tive de dar um "nó" no pedaço que ficou no paciente para que não se conecta - se ao outro indivíduo, assim, Ouccassim aproximou - se e me ajudou a envolver aquela região em um grande curativo, até que em outro momento conseguissemos remove - la por completo.
- Esta sonda drena a energia de tristeza que o paciente sente, ele há muito anda triste, trouxe esta personalidade para curar. (Disse - me Wal). - Com esta energia de tristeza este desencarnado e uma encarnada arquitetam uma morte sem "suspeitas" para este paciente.
Fui escaneando os olhos dele e tive de drenar o excesso de energia ocular pelos pés, pois o acúmulo era grave e poderia ocorrer uma lesão na região do cérebro.
-Este excesso de energia dos olhos faz parte do plano, pois quando este paciente vai dormir, seu espírito é conduzido por esta "viva" e este desencarnado, e nos laboratórios do submundo, ele é feito cobaia para que uma futura morte venha a acontecer.
- Como assim futura morte? Ele vai morrer?
- Não é a programação dele, mas desavisado, ele está auxiliando com sua tristeza para que estes seres tenham uma porta por ode entrar e ataca - lo. Se ocorrer algo com ele na terra, um acidente orgânico ou até um acidente externo, conseguirão que pareça ser algo natural, sem que as pessoas percebam que havia influência destes dois.
- E o que esta mulher quer com isto?
- Ela está bastante inconsciente do que faz, mas porque na terra quando acordada não quer admitir que tem maquinado este evento contra o paciente. Ela quer interferir no que é dele na terra, ou seja, ela tem interesse em posses físicas e está tendo abertura para isto da parte dele.
- Mas porque temos que contar isto para ele, ela está inconsciente quando acorda e nem lembra que faz isto...
- Ele precisa aprender a se defender e tu, já que aceitou este trabalho com os Contratos Sagrados tem a competência para ensinar isto a ele. As pessoas precisam de ajuda para entender o que seus olhos físicos não veem, e é hora de aprenderem a se cuidar e parar de depender sempre da espiritualidade superior.
-E o que ele precisa fazer, e se quiser saber quem é, isto seria perigoso, ele saber quem é...
-Não precisamos saber quem é, o importante é ele ser orientado a dar um basta de forma consciente, sentar em um momento de meditação com ele mesmo e estipular um limite para o que está ocorrendo, para o que está deixando que façam com ele.
- Certo... E se ele achar que sou louca?
- E tu te importa com isto?
- Não, eu sei que jamais falaria algo que eu não acreditasse...
- Então faz o teu trabalho com este amor e deixa que ele decida o que pensar sobre o que tu vai explicar.
Continuamos trabalhando e eu pensei em quantas janelas deixamos abertas para acidentes que são inexplicáveis... Em quantas emoções ou atos alimentamos que depois são usados pelo Submundo para nos atacar...
Aquela mulher era alguém que ele se relacionava, alguém que de certa forma confiava...
E aquele ser desencarnado era um inimigo que se aliara a ela para vingar - se ou apenas servir aquela mulher viva...
Eles arquitetavam uma morte sem culpados, gente como a mente é inteligente... Quem iria se prejudicar se iria ser um acidente causado pela energia dele e não por mãos externas? Ali eu filosofei: Seria um crime perfeito... Se não fosse WAL NA RETAGUARDA, AHAHAHAH!!!!
Eles tinham dois caminhos perfeitos para uma morte, estavam transformando a tristeza dele em porta para desequilibra - lo e fazer com que o PACIENTE, fosse culpado, como se fosse um suicida inconsciente, que se mata sem saber que é um suicida... Ou, se não fosse assim, seria uma atração de um acidente externo, pois o excesso de energia que drenavam e faziam ficar acumulado no organismo dele faria com que atraísse um acidente de carro, uma queda... Um acidente vascular cerebral natural, sem causadores externos, sem assassinos externos...
Fiquei ali vendo ela descer ao Submundo e arquitetar e quando acordava na terra, não lembrava de nada, mais um ótimo álibi... Me sentia em um filme de suspense, onde cada fechada de olhos para me concentrar, eu descobria algo inusitado.
...Paciente sentado na cadeira de orientação e eu rezando aos céus que ele entendesse o que tinhamos para orientar e que o importante não era saber quem estava arquitetando aquilo, mas o que fazer para reverter o plano que ele mesmo alimentava. Confesso que já tinha participado de muitas coisas no Submundo, mas nunca de planos de assassinatos...
O importante não é saber de onde vem os ataques, mas como se posicionar para que eles cessem definitivamente.
O cuidado maior é na consciência das emoções que carregamos, os desequilíbrios emocionais que podem deixar todo tipo de portas abertas para ataques...
Por isso autoconhecimento é a grande Lei de Evolução, sem esta chave... Nada feito. Vai um momento em que as outras pessoas não podem mais fazer por você o que só você pode fazer por si mesmo.
Fizemos de tudo ao nosso alcance ali, cirurgias, remoção de chipagem extrafísica,doutrinação, curativos, drenagem, energia de apaziguamento do paciente, insuflamos mais energia de alegria nele, descemos ao Submundo para eu entender e saber explicar o que ele tinha de fazer...
E de tudo, era só o paciente que poderia resolver aquilo...Orientado poderia desvencilhar - se...Mas só se confiasse e fosse em frente...

Contratos Sagrados #amotutambém!!


Acabou? Terminou, seja lá o que for?

-Vai ficar no papel de vítima e viver da dor da solidão ou vai olhar com outros olhos e viver as delícias da liberdade?
Tudo pode ser visto por um novo prisma, tudo tem dois caminhos, dois polos, negativo ou positivo.
Desejo que você escolha, agora, o que melhor encaixa com sua nova fase....

Acredite...



É assustador, acordar, depois de anos de trabalho intenso sobre si mesmo, de busca, autoconhecimento e a ficha cair... É assustador para a vítima que existe dentro, acuada, medrosa e que muitas vezes se faz forte para conseguir sobreviver, descobrir que a tristeza é só um comportamento vicioso... Que apesar de todas as terapias, de todo o autoconhecimento gerado em busca de respostas, de todos os remédios, de todos os choros e ranger de dentes, esta tristeza de milhares de vivências tenha que ser enfrentada de forma lúcida, consciente como agora.
É assustador perceber que a resposta sempre esteve ali e que só com maturidade ela seria aceita.
É assustador entender que este comportamento nunca irá embora se não houver uma mudança mental, de foco, de sintonia. Que ela só irá partir quando houver uma decisão definitiva:- Sempre que você vier me assombrar eu decido focar o lado bom, o lado positivo e sair da sintonia da dor e da solidão, arrumando formas de não mais te alimentar.
Entender que alimentamos é um passo lindo no processo de suavizar, porque se entendemos que alimentamos é hora de não mais alimentar. E quando mudamos de atitude perante um comportamento vicioso, ele perde forças e deixa de ser o monstro eterno que sempre nos amedrontou.
Assusta entender que alimentamos, assusta, mas é um presente ter maturidade para entender que só está ali porque encontra abertura em nós... E que só irá embora quando tomarmos uma posição definitiva, autocorrigindo incansáveis aquilo que virou habito doentio.
E agora inicia o processo maravilhoso de autocorrigir, parar de alimentar a vítima indefesa que acredita inconsciente que merece passar por esta dor e focar na personalidade decidida, que cansou disto e quer vivenciar as maravilhas de se sentir de outra forma.
Pense abertamente sobre tudo que você sente, porque todo comportamento emocional é um comando interno que diz: eu quero ser pobre ao extremo, eu quero sentir raiva, eu quero sentir tristeza, eu quero sentir dor, eu quero sentir solidão... Se você está enfrentando algo assim e nunca vai embora, é hora de aceitar que é você que alimenta e que é hora de decidir mudar o comando mental para aquilo que você realmente deseja sentir.


Escolha em qual vibe você quer curtir sua vida aqui, neste momento, tudo é uma questão de decidir o que você quer: Viver a solidão e a dor, seja ela qual for ou estar passando por isto, mas sem alimentar a porção que te fere, focando o lado guerreiro e que um dia não mais precisará desta sintonia?
Bom dia !!

Paula Aguerre Aguerre
Psicoterapeuta/ Contratos Sagrados 2014

Quando você começa a gritar com seu parceiro... é porque os corações estão bem longe... um do outro."
Quando você está intolerante, agressivo, mal humorado, impaciente... Os corações já acostumaram a viver dentro da mesma casa e estar separados, mesmo que os corpos ainda deitem juntos ou cruzem um ao lado do outro entre quatro paredes... E aí, vale a pena aproximar e fazer a ponte ou deixar partir e viver ao lado de um novo coração que te faça falar sussurrando e cheio de amor?


Enquanto continuar buscando por corpos, terá relacionamentos instáveis, sexo puro, solidão e aquele vazio na alma... O dia em que aprender a buscar por outra alma, terá uma vida de amor, companheirismo e essência.


Bom dia!!


As pessoas estão tão preocupadas em encontrar o amor que esquecem que o amor é algo que se constrói e que, enquanto aquele que veio construir conosco este sentimento bate na porta dos reencontros, estamos desesperados no quintal, catando trevos de quatro folhas.

Bom dia, com Wal já no meu encalço !!

‪#‎Wal‬

domingo, 21 de setembro de 2014

As nuances que envolvem os bastidores dos suicídios.





Não tenho receios de dizer que antes do meu equilíbrio e de minha formação na área da saúde mental eu fui paciente e uma mente focada no desfecho do suicídio. Ainda recordo o tempo de desequilíbrios emocionais e mentais em que estive inserida no meio do turbilhão que se transformou minha vida na fase em que tomei contato com minha mediunidade e não sabia o que era e por que eu sentia todo aquele mundo que os olhos físicos não podiam vislumbrar.

Lembro pouco dos momentos de crises, pois dentro deles, era um fio tênue, onde eu estava equilibrada e de repente um gatilho me levava para dentro da crise inconsciente, onde eu me debatia entre o planejamento da minha morte física e a vontade de estar fora de toda aquela situação. Lembro a última vez em que eu planejei e ia cumprir... Lembro que eu estava tão desesperada e perdida internamente e até hoje me admiro do meu poder de manipular as pessoas para que elas não notassem o que eu sentia ou desejava fazer. Era incrível a linha tênue que me separava da realidade e da loucura, eu vivia perambulando entre elas sem nem ao menos divisar onde iniciava uma e onde começava a outra, tão unidas estavam.

Naquele período eu lembro que a dor emocional era grande, pesada de mais para que eu conseguisse suportar sozinha, eu tinha nas mãos a responsabilidade de um recém nascido, minha adolescência desequilibrada, o divórcio traumático dos meus pais e uma paixão desde o período infantil que me deixou sozinha para cuidar de uma criança, a qual eu nem sabia exatamente como aceitar, como cuidar, como entender... Por trás do que eu demonstrava, dos sorrisos forçados e do choro que eu reprimia, eu me sentia enlouquecida, cega de medo e sem nenhuma luz no fim daquele túnel no qual eu tinha me inserido por imaturidade, imprudência e teimosia.

Naquela noite, depois de muitos meses sem dormir e com aquela criança ao meu lado, onde todos me cobravam responsabilidade e atitudes e me culpavam por aquele desfecho, eu entrei em surto, caminhei pela casa alienada, chorando desesperada e sem conseguir raciocinar direito, eu sentia dentro do meu peito e de minha consciência que eu jogara fora todos os meus sonhos, todos os planejamentos e que havia perdido tudo que me dava arrimo e forças para seguir... Sentia que tudo que eu fazia não era suficiente para aqueles que me cobravam e exigiam uma postura que eu não me sentia pronta para arcar... Naquela noite eu estava sozinha em casa, só eu e uma criança... Eu ouvia vozes que sussurravam aos meus ouvidos que eu não era nada e que eu devia ir embora por que eu me tornara um fardo e uma derrotada, pois colocara tudo a perder com minhas escolhas... Eu estava tão enlouquecida com aquela voz que sussurrava aos meus ouvidos cansados, aquela criança que não dormia, chorava, exigia tanto das minhas forças físicas que eu era um pálido fantasma do que eu fora um dia... Que eu ergui tão alto o volume do som, com uma música eletrônica, que o barulho era insuportável e me ajoelhei no chão em desespero, chorei tanto, tanto que me senti ainda mais sem forças... Naquele instante eu pedi por algo que me soerguesse, que me fizesse entender aquela dor que eu tentava esconder de todos, para não incomodar... Eu rezei para algo, ou alguém, eu não lembro... Eu pedi que aquele desespero cedesse e que aquela voz invisível, que me agredia, me deixasse em paz...

Quando dei por mim eu estava na porta do corredor, indo em direção a gaveta de facas, na minha mente aquela voz já me explicava como eu deveria fazer, usando os pulsos, andei mais um pouco e senti medo, foi uma sensação de consciência, pois por uma fração de segundos eu havia fugido da realidade e estava obedecendo aquele impulso desesperado de acabar com aquela falência de futuro que me esmagava, com aquela dor que apertava e destruía meus sonhos e minhas possibilidades de me sentir melhor...

Naquele momento eu olhei a gaveta, vi as facas e vi o que deveria fazer com meus pulsos... E eu chorei, por que eu não conseguia entender direito o que se passava e como eu me encontrava naquela situação, decidindo por uma forma de acabar com aquela situação exorbitante que me arrancava tudo que eu havia sonhado e planejado... Neste momento eu chorei minha dor de outra forma, eu queria estar viva, mas eu não tinha mais forças para suportar o que eu estava vivendo. Eu amava aquelas pessoas, mas, não suportava mais ser cobrada a dar – lhes algo que eu não tinha forças para lhes retribuir... Eu sabia de minha responsabilidade com aquela criança que chorava noite e dia e que não dormia durante meses, mas eu não sabia o que fazer para aplacar aquele cansaço que eu sentia no meu corpo, na minha mente e na minha alma...

Eu segurei a faca e respirei... E uma voz suave sussurrou aos meus ouvidos com todo amor que eu não estava sozinha e que havia outra forma de vencer tudo aquilo, todo aquele desespero... Do meu outro lado a voz insuportável me disse para continuar...

Eu senti tanto amor na voz do outro lado que minha atenção se prendeu a ela... Era a voz masculina mais doce e amorosa que minha alma cansada e saudosa já havia escutado... Em meio a toda aquela dor e desespero, em meio ao cansaço e cobranças de todos aqueles meses, fora a única voz que não me cobrou, mas me fez acordar do transe e ver uma nova luz dentro do meu turbilhão de emoções... Ele soprou aos meus ouvidos que estava sempre comigo e que me amava, que eu me permitisse uma nova chance, pois dali para frente eu conseguiria um novo rumo, uma nova esperança para não sentir tanta dor...

Eu larguei o que tinha em mãos e fechei a gaveta...

Daquele dia em diante ele nunca mais ficou invisível aos meus olhos físicos, daquele dia em diante eu fui guiada para um novo mundo que estava apenas escondido dentro de mim...

Daquele dia em diante eu fui me recuperando aos poucos, ainda escondendo minha dor dos que estavam comigo... Daquele dia em diante aquela voz me levou a um mundo de autoconhecimento para que eu nunca mais me perdesse de mim mesma e desse o direito de outras vozes me guiarem...

Longos anos se passaram desde aquela noite em que rezei ajoelhada me preparando para não sentir mais aquela dor descomunal e aquela sensação de que todo mundo me abandonara. Daquele dia em diante eu dei o melhor de mim, aceitei meus monstros e fui em busca daquela sensação que a voz havia me falado, a qual me levaria a um mundo novo.

Embasada em minha própria dificuldade emocional e em meus registros inconscientes, ainda por muitos anos eu lutei desesperada e silenciosa contra o desejo do suicídio. Centenas de noites eu chorei desesperada e calada, e nunca mais esqueci de pedir que aquela voz amorosa me ajudasse a ter forças para seguir em frente...

Durante muitos anos eu me trabalhei para aceitar aquela criança, para aceitar o novo corpo que a maternidade me dera, a separação e os anos de dificuldades de meus pais... E o abandono da minha primeira paixão de infância.

Dentro de todos aqueles anos, eu escolhi cuidar de mim e no caminho a voz me mostrou que eu seria ainda mais completa e feliz levando atenção e autoconsciência para aqueles que sentiam o mesmo monstro em que eu me debatia silenciosa. Escolhi a profissão que exerço hoje e deixei meus “pré – conceitos” de lado, abraçando com amor e respeito aquela voz que me tirou da alienação do suicídio e me conduziu a um mundo de paz e amor. Deixei o lado tradicional e inseri no meu trabalho a parte espiritual que dava norte aos navegantes que debatiam – se com os vendavais do suicídio... Eu sabia o que estavam sentindo, eu era um deles e eu sabia que havia outra estrada e queria que um sopro suave os alcançasse antes de escolherem a morte do corpo.

No processo eu estudei durante anos, tive casos de suicídio dentro de minha família que se consumaram e virei uma observadora do mundo extrafísico que os humanos não viam... Atuei em muitos casos e cuidei do meu próprio na parte espiritual, enquanto eu escancarava minha alma para um psicoterapeuta que me ajudava a escolher minha vida enquanto minha mente rebelde gritava por um desfecho rápido através da morte.

Durante meu processo de recuperação eu passei por sessões de regressão onde um mundo inconsciente se descortinou aos meus olhos, eu havia sido uma suicida por mais de 400 vidas, num eterno desassossego de alma, rebelde demais para aceitar aquela voz que sempre viera soprar aos meus ouvidos que havia uma outra possibilidade de sair com êxito de tudo aquilo que me engolia e não me deixava vir à tona. Presenciei a vida da minha alma e o que morria eram meus corpos físicos e nunca eu mesma, pois depois dos desfechos trágicos, eu acordava em outros locais, sentindo os estertores das mortes que eu planejava e levava a cabo.

Presenciei o horror de viver anos, morta, e ao mesmo tempo viva, relembrando desesperada a cada minuto o ato de matar meu corpo. E a voz me explicou que eu era rebelde, teimosa e que sempre renascia para vencer aquele ato horrendo, mas nunca me permitia a paciência necessária para vencer e seguir vitoriosa em frente.

A voz me disse que eu era a criatura mais teimosa que já conhecera, e que minha teimosia um dia me abriria portas... Naquele momento eu não entendi o que ele queria me dizer, mas eu confiei na sensação que ele despertava na minha alma, na confiança que eu sentia na presença dele. Rebelei - me muito, muito mesmo, ao ponto de nem mesmo eu me suportar, mas eu aceitei que era hora de um desfecho diferente e eu estava cansada de me matar e não morrer nunca. Estava cansada de formular mortes e levar a cabo com todo tipo de ferramentas, do veneno, o tiro, ao câncer, que era hora de lutar contra eu mesma e não mais contra o que os outros me faziam ou exigiam, era hora de eu entender que a responsável era eu e que só eu poderia mudar aquela situação caótica. Eu não queria mais matar meus corpos físicos e acordar em locais espirituais de tortura, onde eu era arrastada para todo lado, mal tratada, ridicularizada, onde eu sentia dor eternamente e me via matando meu corpo e o sofrimento dos que eu abandonava por não aceitar a vida como ela se apresenta.

A voz me fez ver que eu queria controlar tudo e viver dentro de uma perfeição que não existia, quando eu me defrontava com pessoas ou situações fora do que eu queria, como forma de vingança, eu matava meu corpo, achando que me livraria de todos e de tudo...

- Coitado daquele que acredita que tudo acaba, eu digo que depois do ato do suicídio, aí é que começa tudo, por que você vai ter que ressarcir o que fez, você burlou a lei, matou, tirou a vida de alguém, mesmo que este alguém seja você mesmo. Infeliz daquele mais apressado e rebelde que não aceita o que ocorre e acredita que tudo vai se apagar e vai virar uma escuridão sem sentidos. Quando o suicida abre os olhos do outro lado, o que o espera é milhões de vezes mais grave e aterrorizante do que o que ele vivenciava em vida física.

Eu estava morta, mas continuava presa no corpo físico que se decompunha no local do assassinato...

Eu estava morta, mas continuava sentindo o veneno corroer minha garganta e meu estômago...

Eu estava morta, mas continuava ouvindo os gritos de desespero dos que me amavam e que eu colocara naquela situação terrível...

Eu estava morta, mas era arrastada por seres escuros pela eternidade a fora...

Eu estava morta, mas continuava sentindo o desespero que sentia antes da morte física...

Eu estava morta, mas continuava solitária, sem amor, sem braços que pudessem me tirar daquele lugar de sombras e gritos medonhos...

Eu estava morta, mas continuava sentindo frio, fome, medo e saudade...

Eu estava morta, mas continuava pendurada na corda, sufocada, tentando me salvar no último momento de desespero em que meu copo sacudia desesperado...

Eu estava morta, mas continuava, mesmo sem um corpo físico...

Eu escrevo e minha mente pensa sobre os milhares de adolescentes, crianças e adultos que se perdem através desta decisão... Não me importo se é forte ou não o que escrevo, por que eu escrevo com consciência de causa e não por que alguém me contou. Eu só quero que você saiba que a vida não acaba, a dor não acaba, a morte não existe e principalmente, eu quero que você saiba que por mais horrível que seja o que você está vivendo, há sempre uma voz carinhosa, um caminho diferente, que tenta te guiar e você cego nem nota, envolvido demais em pensar que tudo tem que acabar...

A única coisa que acaba é o sofrimento, por que ele não é eterno, sempre vai existir uma forma de você revalidar o que está vivendo...

Sempre que você tiver em um corpo físico, lembre – se que a dificuldade que está vivendo só lhe foi entregue por que você aceitou e teve certeza de que conseguiria vencer... Nada é colocado na sua vida sem que você tenha forças para resolver.

Saia do turbilhão, reza, ore, converse com alguém, com algum poder que você creia, ou queira crer, nem que seja ajoelhado escutando uma música infernal, desde que você peça ajuda, eles vão interferir. Nenhum protetor espiritual vai te ajudar se você não der permissão, eles te amam demais para interferir no seu livre arbítrio.

- Agora, cá entre nós, pois eu já estive no seu lugar e luto ainda contra esta personalidade suicida, se você quer matar seu corpo, não diga que não foi avisado.

- E eu repito para você, se você ainda não entendeu: - A morte não existe e a dor não é eterna. Você só tem em sua vida aquilo que vai te fazer ainda mais forte, se dê um voto de confiança antes de optar pelo suicídio e você vai se surpreender com sua força e seu potencial de vencer.




Obs:

“Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou o primeiro relatório global sobre o assunto. Uma pessoa tira a vida a cada 40 segundos no mundo. Em números, o Brasil é o oitavo país com o maior número de suicidas, onde teve quase 12 mil casos em 2012. A taxa, porém, corresponde à metade da média mundial, se for levado em conta o tamanho da população no país. A OMS aponta, ainda, que grupos vulneráveis como refugiados, imigrantes, índios, homossexuais e transgêneros apresentam índices superiores à média.

O suicídio mata 26 brasileiros por dia.

Fonte CVV”.



Paula Aguerre

Psicoterapeuta / Habilitação para Regressão Ética.


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Não sabe o que fazer quando tudo parece se repetir, quando tudo parece estagnar?




Volte para dentro, é dentro que está a segurança, é dentro que tudo acontece, é dentro que a liberdade está... Se permita voltar para dentro.
O mundo que habita lá fora é o reflexo do mundo interior. Enquanto eu não voltar para a verdadeira casa, nenhum lugar neste mundo será confortável e seguro. Enquanto eu não aceitar o que habita aqui dentro, nunca saberei como transformar o mundo lá fora.
Enquanto eu não ficar comigo, me respeitar e conhecer, nenhuma companhia vai acalentar o vazio da minha alma.
Está triste, irritado, confuso, depressivo, com raiva, com ciume, indignado, desmotivado, decepcionado, magoado, com medo, com pressa?
É dentro que eu vou resolver, é no contato com o que desejo e não com as reclamações que vou entender o meu limite e como me posicionar comigo mesmo.
Eu não preciso mudar o outro, porque a minha mudança tem o poder de modificar o meu mundo e este é o único mundo que precisa ser modificado.
Aprenda a ficar sozinho, aprenda a voltar para dentro, aprenda a se dar tempo e companhia de qualidade...
Quando você aprende a ficar com você, você sorri de forma verdadeira, você emociona - se, você entende o que é o amor e o respeito. Você aprende o que são limites e quais barreiras devem deixar de existir. Você entende o que é se sentir seguro, protegido, em paz...
Foi no aprender a ficar comigo que eu aprendi a sorrir de verdade, sem máscaras... E este foi o melhor presente que alguém poderia me dar, a sensação de prazer e companheirismo, um companheirismo que tinha de nascer em mim, aqui dentro...
Só assim você atrai alguém externo que possa te dar tudo que você deseja, somente quando você se der este presente, alguém vai chegar e alargar esta fronteira. Só neste instante alguém vai chegar e aumentar o que você já sente, pois ninguém pode te dar algo que você não tem... Por isso os relacionamentos fantasmas, que vão e vem de repente, deixando ainda mais dor e decepções...O outro não vai te dar algo que tu ainda não conquistou... E um dia ele vai embora e o vazio permanece... Aprenda a preencher o vazio com a SUA companhia.
Quando fico comigo mesmo eu me divirto, eu rio alto, eu consigo me soltar e entender o que mereço, porque ninguém consegue me mostrar o que eu mereço se isto não partir de uma compreensão interna...
Aprenda a meditar e tudo muda...
Meditar nada mais é do que ficar com você...
Bom dia !!


Obs: Não sabe fazer sozinho, há pessoas que podem te ajudar, não deixe para amanhã o conhecimento da presença, da melhor companhia que você poderia conquistar... A sua!!

Muda tua forma de ver - se dentro da situação.



Voltando de uma meditação eu escutei o seguinte de um dos amados Mentores do Contratos Sagrados, Ashtar Sheran: -Muda tua forma de se ver que o teu mundo muda!
Eu estava vivenciando uma situação que vem se repetindo a muitas vidas e como qualquer pessoa eu me peguei lutando contra, tentando mudar a pessoa e a situação. Me peguei brigando mentalmente comigo por não conseguir obter um outro resultado. Então depois de meses eu resolvi, já me sentindo um puro sangue puxando carroça, relaxar e deixar o uni fazer sua parte...
E as coisas se abriram de uma forma simples e descomplicada: - Não entendo, mas vou me esforçar para fazer o que me pede e assim, eu vou conseguir!
Ele sorrio, colocou a mão em minha fronte e uma luz intensa se propagou em minha mente rebelde, decepcionada e triste com a mudança que não vinha.
Me vi de frente para a pessoa, de frente para a situação e automaticamente eu presenciei esta questão toda se iluminar, minha mente tentou voltar para o padrão negativo que insistia em me mostrar que por mais que eu me esforçasse não haveria mudanças e me mostrou que a mudança deve começar no modo como me vejo, ou seja, eu sempre me via revivendo a mesma coisa que eu não queria. Então eu me corrigi e entendi que eu tinha que mudar minha visão de como eu me sentia perante aquilo e eu o fiz... Me vi frente a tudo aquilo, mentalmente, com um sorriso, com tranquilidade e sem ficar me metendo na parte que compete ao universo. Imaginei tudo da forma como eu queria e principalmente como eu queria me SENTIR EMOCIONALMENTE dentro daquela situação e pessoa, e uma intensa luz nos envolveu... E eu sorri, pois havia entendido.
Eu precisava me ver com outra atitude, com outra crença, com outra vibração para realmente acontecer uma mudança ali.
-Quando a mente muda, o mundo muda!
Agora o foco é manter esta nova crença e sensação sobre isto e quando a velha sabotagem de acreditar que não vai mudar vier, focar o que eu quero e não mais o que não quero.
-É na mente que tudo se cria, é na forma de ver as coisas e senti - las que tudo se desenrola e acontece no meu mundo físico. Não importa o que seja que eu queira mudar, tenho que começar dentro e nunca do lado de fora, começar o trabalho na minha própria mente e nunca na mente e na vida do outro.
Espero que te sirva como um pequeno degrau na mudança do que você quer.
Temos a mania de complicar tudo, pois nossa mente acredita que tudo é complicado e difícil e as vezes deixamos a solução passar desapercebida pelo costume de não ver a simplicidade das coisas e relações...
Aproveite e mude o mantra: - Relação é complicado para: Relação é simples.
Bom dia !!

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Deixar Wal partir... Me despedir?





- Tu tem que ir até Capela e te libertar de mim...

- Como assim, quer dizer que tu vai me deixar?

- Lá tu vai entender porque estou insistindo.

- Não quero ir... Dói voltar lá...

(Esta conversa foi no dia anterior).

No outro dia ao cair da tardinha: - Te organiza que vamos para Capela.

Olhei para aquele homem lindo e gigantesco caminhando atrás de mim por dentro de casa e fiz que não entendi.

(De noite, eu indo para o banho...)

- Tu tem que me libertar para ser feliz... E para isto vai ter que me deixar partir...

(Entrei no banho enquanto Wal estava no box comigo e fiz alongamento, lavei onde já havia lavado, deixei a mente vagar por sei lá onde...).

(Noite alta e eu no facebook).

- Vamos Paula, para que tua programação aqui na terra se cumpra tu precisa enfrentar e desfazer o contrato comigo.

Levantei os olhos e analisei aquele homem de turbante branco no pé da cama, mais de 2 metros de altura, moreno, sarado, lindooooo e continuei digitando com uma amiga íntima no face).

- Depois eu vou... (Minha cabeça rodava rebelde e um certo mal estar começava a se insinuar em minha cabeça, minhas mãos estavam nervosas e eu já sabia que tinha que me decidir.)

-Vou depois, daqui a pouco...

Wal continuou firme no lado da cama, com aquela paciência que só Wal tem com Paula. E eu continuei digitando e falando com a amiga querida. Até que minha amiga diz o seguinte: - Amiga, se Wal diz que é pra ti ir, ele é o cara, ele manja dos paranauê, então quer dizer que vai te fazer bem ir lá e desfazer este Contrato!

(Eu sabia que ela tinha toda a razão, que Wal era o cara e eu a rebelde, mas meu coração sabia o que eu ia encontrar lá, eu sabia que ele jamais me faria fazer algo que não fosse me fazer muito bem, mas eu não queria sentir aquele desespero mais uma vez na minha vida, porque fora aquele desespero que me arrancara da minha casa, do meu planeta e me arremessara ali na terra e em tantos outros planetas de exílio e dor moral.)

- Eu sei amiguinha, mas fala mais, vamos conversar mais um pouco...

Wal ao lado da cama aguardou mais uns 40 minutos eu acho e a coisa ficou tensa:

Ergui os olhos outra vez e ele já tinha aberto um portal violeta, com nuances brancas e brilhosas... Fiz que não vi...

E continuei teclando por teclar e com a cabeça latejando a mil...

- Entra no portal. (Me diz Wal com aquela voz suave, porém já firme).

Olhei para o portal, louca de curiosa, mas cheia de pânico...

- Não querooooooo entrar, não querooooo ir lááááá´!! (Gritei mentalmente, mas com respeito, na verdade eu estava era gritando comigo e com o lado racional que sabia que eu tinha de ir).

Começou a me dar uma vontade enorme de chorar, uma sensação de dor, perda e medo de sentir tudo outra vez...

- Entra no portal... (E me estendeu a mão).

Segurei a mão dele e deixei minha alma, minha consciência sair daquele corpo físico que estava sentado na cama, no escuro e me deixei conduzir por ele, pela segurança das mãos que me ajudam a trabalhar e seguir minha estrada.

Passei por um portal de luz forte e barulhenta e quando dei por mim, meus pés tocavam o saudoso chão de Capela, meu planeta amado.

Desci no exato momento ou lembrança em que eu estava casando, em uma cerimônia simples, de familiares e amigos adorados ao meu coração... Podia sentir os olhos de meus pais e de minha vó amada sobre mim, brilhando de felicidade com a enorme felicidade que fazia minha alma dançar nos braços de meu marido. Eu me vi dançando e rindo entregue aos braços daquele homem como jamais me vi fazer em qualquer outra vida, em quaisquer outros braços... Nós dois riamos de felicidade enquanto nossa festa de casamento seguia pela noite estrelada.

Todos nos olhavam com adoração, pois sabiam do quanto nosso amor era... Amor...

E eu estava segura pelos braços do homem que me adorava e me protegia, com quem eu havia crescido e amado no primeiro instante... Haviamos sido um do outro pela eternidade das vidas sucessivas e ali, nos reencontravamos mais uma vez para viver o amor de almas gêmeas. Habitava tanta felicidade em nossas almas que o mundo não existia, as vozes e a música... O que habitava ali era o silêncio das almas que se completam e vivem uma para a outra...

Eu estava com os pés descalços e ele também, as alianças reluziam em nossas mãos seguras uma na outra e riamos entre um beijo e outro...

Todos já haviam ido embora e nós ficamos, pois ali era o lar que havíamos construído, que havíamos escolhido para viver... A lua e as estrelas embalavam nossa felicidade, a conexão que eu jamais poderia descrever além de emoção que encanta e faz chorar de felicidade... Era assim que sempre me senti nos braços daquele homem enorme e de olhos profundamente apaixonados por mim. Até ali, nunca havíamos tido outra alma em nossas vidas, renascíamos e nos buscava – mos para viver o amor...

Aquela cena me trouxe a dor de estar exilada na terra e longe dos braços dele... Aquele lugar me fazia lembrar do amor verdadeiro e da entrega sem medos...

Estar ali era muito difícil para mim e para ele, pois ainda sofríamos a separação que eu havia me imposto...

A noite serena e o vento delicado fazia com que todas as lembranças que sufoquei para conseguir viver na terra, longe dele, viessem a tona e meus olhos presenciaram o momento em que ela, eu, dançando nos braços dele, cheia de amor e inocência, jurou amor eterno e que nenhum homem em toda sua existência conseguiria tocar sua a alma como ele fazia. Ali, sob o amor dele eu prometi fidelidade, aonde quer que eu fosse, com quem estivesse, eu seria somente dele, pois era o que me fazia completa e viva.

Olhei Wal ali comigo e entendi o que eu havia feito naquela vida, havia sacramentado junto com aquele casamento de almas, um contrato de nunca esquece- lo, de nunca me entregar ao amor, se este amor não estivesse nos braços dele...

Entrei dentro da casa e as lembranças começaram a reviver em minha alma como se eu fizesse parte de um mundo que nunca havia cessado, como se ao andar dentro daquela casa eu cruzasse com ela, com aquele homem que jurei amor e fidelidade e com a vida que eles tinham todos os dias. Olhei para um aparador e os porta retratos, com uma tecnologia que ainda não vi na terra, exibiam imagens captadas no momento do casamento, quando eu os toquei, o casal no porta retratos começou a se mover, como se eu assistisse a uma gravação daquele dia, mas as ondas que emitiam me fizeram sentir a emoção captada no momento capturado... O que ela e ele sentiam ao serem fotografados, dançando e comemorando a união.

Eu chorei, chorei a saudade, chorei a dor de não vibrar mais na frequência daquele lar, o qual nunca mais tive em outros planetas que tive de morar... Chorei o cão que caminhava por dentro de casa e encantava – se com a felicidade que o casal desprendia...

E quando meus olhos pousaram sobre o retrato do casal, com uma criança, um lindo menino de dois anos no colo, eu desabei toda dor, todo o esquecimento que programei para conseguir viver sem eles...

Wal se aproximou de mim e segurou meu rosto, sustentou meu desespero e me beijou os cabelos... Wal chorou com meu rosto entre as mãos, e foi a primeira vez que vi dor naquela alma, que vi aqueles olhos adorados ao meu coração chorarem.

- Te liberta de mim... (Ele me pediu entre a dor e a razão). – Somente assim tu poderá ter paz na terra, somente assim tu poderá reencontrar outra alma adorada ao teu coração e viver sobre a terra o amor que um dia tu viveu aqui, nos meus braços!

Choramos juntos, choramos a separação, as mortes dos corpos que ele teve e eu não suportei... Choramos por eu estar presa na terra e ele ali, ainda vivendo no nosso lar e me resgatando pelos lugares que habitei, para que um dia eu evoluísse e pudesse vibrar na mesma frequência dele, do nosso lar, do nosso planeta, para voltar aos seus braços.

-Nunca vamos estar separados, eu nunca te deixei, nunca te abandonei. Meu amor sempre achava uma forma de te encontrar, fosse em qualquer lugar tenebroso ou em serena evolução humana.

Enquanto isto, eu senti o cão materializar – se e ficar de pé, ao lado do casal, como se tentasse me dizer que também não havia me esquecido.

As lágrimas de dor que deslizavam pelas faces de Wal, misturavam – se com as minhas e eu só queria que aquela dor que eu nunca esqueci me deixasse viver em paz. Eu sabia que ele tinha razão, eu sabia das sabotagens que eu criei para todos os relacionamentos amorosos que haviam cruzado minha vida em todos aqueles séculos que estávamos separados... Eu sabia que se não libertasse aquele lar, eu nunca conseguiria ter um lar... Eu chorei por que também estava cansada de peregrinar por mundos sem fim, resgatando – me, saldando Karmas, solitária... Autossabotando minhas passagens pelos orbes que precisava enfrentar.

Eu estava cansada de carregar aquelas vidas cheias de amor e paz ao lado dele, todas as que havíamos tido, pois eram lindas demais e me causavam uma ferida gigantesca na alma. Ver ele ali, ou caminhando comigo sobre a terra ou por outros planetas inferiores de regeneração me causava saudade, dor e ranger de dentes, pois ele evoluíra muito além de mim, enquanto eu engatinhava resgatando minha rebeldia. Saber que eu não poderia ficar ali, no meu lar, na segurança do único homem que amei e do único lar de verdade que tive destruía minhas forças.

Foi quando ele olhou nos meus olhos e desabafou chorando, a voz masculina embargada de emoção mexeu com minha alma e eu foquei toda minha atenção nele, todo o desespero acalmou, porque eu nunca havia presenciado o lado homem, masculino de Wal até aquele momento, apenas seu lado Anjo da Paula, e então firmemente, porém suave, ele me disse:- Tu tem o direito de ser feliz, tu tem o direito de ter um lar e um amor enquanto eu não posso estar contigo, enquanto tu não pode voltar para casa comigo. Tu tem o direito de te sentir segura dentro de um lar e dentro de um abraço de um companheiro de verdade... Deixa – me aqui e aceita a felicidade que outro homem poderá te dar e que já está programada. Nós dois nunca deixaremos de ser o amor um do outro, mas eu sinto a tua dor e a tua dor não pode continuar.

- Eu estarei contigo e esta alma que está pronta para te reencontrar é um pedaço de nossa mônada, é uma alma gêmea também, com a qual tu será tão feliz quanto foi comigo.
Não existe apenas um único amor de alma, somos muitos e sabemos disto quando nos reencontramos, ele já viveu contigo em outras vidas e vocês são muito feliz juntos... Deixa ele te encontrar... A tua felicidade me faz feliz... E há muitos séculos, desde que saiu daqui, tu nunca mais te permitiu ser feliz e sorrir como sorria em meus braços.

Narrar ainda me faz chorar, ainda me abala, mas eu sei que agora, aquele contrato pode ir embora, aquela promessa que fiz a mim mesma, pode ser vista de outra forma e não mais como uma fidelidade que me fazia crer que se eu encontrasse outra alma que me cativasse realmente, eu estaria traindo o que sentíamos um pelo outro...

Choramos abraçados, relembrei a morte dele ali naquele lugar e o meu desespero, a minha revolta por não saber das vidas sucessivas, chorei a enorme rebeldia que me levou a usar minha mente e minha profissão ali naquele lugar para criar placas mãe e implanta – las na mente para aplacar a dor da perda, de uma forma que tudo virou uma avalanche de esquecimento e se dizimou por Capela como um surto, como uma praga que corrompeu sentimentos, almas em evolução, tornando os implantados seres frios e egoístas, incapazes de amar, dar amor ou entender as perdas... Voltados para uma tecnologia que por ignorância e medo da dor, nos tornou desumanos e vazios...

Ele me segurou pela mão e me levou até a árvore sob a qual todas as noites nós dançamos sob o luar e os ventos suaves do precipício ao lado... Sob a qual fizemos juras e promessas de felicidade, e sob a qual fomos gratos por fazer parte um do outro... Sentamos na beirada, como fazíamos sempre e abraçados sentimos outra vez, depois de tantos séculos, o prazer de ser apenas duas almas que se buscavam pela eternidade a fora... Fechamos os olhos e deixamos o mundo lá fora enquanto sentíamos o contato um do outro, o amor, a paz e o cansaço que eu sentia com tantas emoções e recordações.


- Está cansada, isto é normal, a frequência aqui é muito diferente e as recordações exigiram muito da tua consciência cósmica.

Eu continuei ali sentada, encostada nos braços dele, sem pressa, só deixando que minha alma aproveitasse todos aqueles momentos antes de ter de deixar tudo e ir embora para a terra.

Estar nos braços de um amor de alma é algo que eu jamais saberia explicar, o que eu sentia ali foi o que senti em todos os momentos em que Wal esteve ao meu lado, mesmo tão mais evoluído do que eu... Eu sentia paz, uma paz enorme, um amor tão intenso e calmo, que eu poderia deixa – lo livre para sempre, poderia viver sem ele, como vinha vivendo e continuaria sendo feliz por saber que ele era um pedaço de mim, da minha alma. Eu sentia emoção, uma intensidade, uma certeza absoluta que por mais que eu tivesse de viver sem ele, eu ainda seria feliz, pois nossas vidas haviam surgido da mesma essência e o criador havia tido a sensibilidade de criar a Paula e o Wal... e os tinha feito se encontrar um dia... Wal era um pedaço da minha existência e seu amor tentava me explicar que eu só poderia voltar para casa, para os braços dele, quando me permitisse ter tudo o que merecia, ter tudo o que era meu por direito. Aquela alma evoluída e linda, em meus braços, queria me mostrar que havia me buscado, me resgatado, me curado e cuidado para que eu entendesse que não precisava sentir dor, sentir solidão. E em sua imensurável luz, em sua linda evolução ele tinha o respeito e o amor de me ensinar que haviam mais almas com as quais eu sentiria o mesmo que sentira nos braços, na vida dele.

Nós dois havíamos serenado, apenas sentíamos a alma um do outro, em uníssono, sem medo, sem dor, sem posse... Há muito eu sabia quem era Wal, quem fora Wal, e há muito eu já me preparava para aceitar sem rebeldia a ausência física dele... Uma ausência que ainda iria durar longos séculos, mas que só o fato de saber que ele existia já era suficiente para a minha alma descansar em paz...

Eu queria libertar ele, eu sentia a necessidade de me libertar e ser feliz... Por que ele sempre estaria comigo, sempre... Olhei para minha mão esquerda e nela havia uma linda aliança clara, de pedras que só existem em Capela e a removi, estendi e depositei na palma da mão de Wal... Quando ele estendeu – a para pegar eu vi com todo amor de meu coração que ele ainda usava a aliança de nosso casamento, ele ainda carregava ela com todo o amor de sua alma, mais sereno do que eu, pois ele entendia as supostas separações... E os reencontros... Ele fechou a grande mão e a guardou com carinho...

- Ela vai estar comigo, te esperando... A felicidade de viver o amor só está esperando a tua decisão consciente...

Eu sorri e olhei o vale lá embaixo, sereno nas noites enluaradas da nossa varanda...

Dançamos sob estrelas e o céu e rimos como antigamente... Eu sentia a felicidade dele por eu desejar aceitar minha própria felicidade...

- Sempre seremos um do outro... Sempre seremos almas que se buscam... (Ele sussurrou com o rosto em meus cabelos).

Rodopiei dançando, em seus braços e aceitei aquele amor mais uma vez, aquela certeza de que eu tinha que ser feliz, até que um dia a minha felicidade fosse tão intensa e verdadeira, que eu estaria bem o suficiente para voltar para casa...

Deitamos sob a frondosa árvore e a grama rasteira e olhamos o céu... Como se novas promessas de liberdade, maturidade estivessem sendo gravadas em nossas almas, tendo o céu de Capela e as estrelas por testemunha.

- Tu pode voltar aqui sempre que quiser, já tens este mérito e eu estarei sempre aqui a te esperar, porque tu é meu amor... Meu grande amor... Podemos estar juntos na terra ou em qualquer lugar, tua busca e centramento nos permite isto, como não nos permitia antes... Somos abençoados por saber disto e tua sintonia estar perfeita para chegar até aqui...



Eu escutei aquela voz que sempre me emocionou, cheia de felicidade e adormeci nos braços dele... Sem me importar com mais nada... Por que eu já tinha tudo e estava no caminho...

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Contratando Casamento no Submundo e fora da Programação Original?



Pois é, ontem a noite me senti mal, como se algo estivesse errado, senti medo, um medo que algumas vezes nesta vida se insinuou em minha mente e eu deixei de lado, dizendo a mim mesma que era algo irreal, que eu não merecia: um casamento, um marido possessivo, doentio e ciumento que me privasse de ser quem sou e de fazer o que amo.
Na noite de ontem eu entrei em conexão com meu Mentor e pedi que as coisas se resolvessem, decidi desfocar do “ruim” que estava acontecendo e foquei em “como” resolver, e então esta sensação voltou em meu peito, em minha mente.
Na noite anterior eu não havia dormido nada bem, há muito tempo desliguei o abajur e decidi dormir em paz, sem medo do que estava no escuro, mas ontem o medo voltou. Era como se a cada momento que meu corpo cansado dormisse, alguém estivesse ao lado de minha cama, esperando para me tocar, obrigar a alguma coisa que eu não quero mais... Acordei infinitas vezes e acionei a tecla do notbook e assim, uma certa claridade me fazia sentir um pouco mais segura.
Senti a presença de um homem muito alto a rondar minha cama, meu sono, meu corpo, minha mente, pedi que me deixasse em paz, que saísse do meu espaço sagrado, que é meu quarto e mesmo assim ele insistiu em velar meu sono descompassado. E então, ontem a noite eu vi em minha tela mental este mesmo homem, mas eu estava acordada e lúcida, fazendo meus afazeres e me vi no Egito, em uma viagem que quero muito fazer até aquelas terras saudosas ao meu espírito. Me vi fazendo um Contrato com ele para esta atual vida em que estou e não senti coisas boas observando aquilo, ao longe.
Decidi que iria atrás do que aquela visão tentava me mostrar, me acomodei em meu canto sagrado e chamei o amado Arcanjo Miguel, o amado Sananda e meu Mentor e parti por um portal em busca de respostas, eu só sentia que algo não estava bem, que algo iria acontecer e iria transformar a minha vida para pior... Fiz uma progressão, uma progressão é como uma regressão de memória, só que na progressão, a mente vai ao futuro, em alguma programação futura que irá acontecer e me surpreendi com o que presenciei e me senti uma traidora de mim mesma, de meus sonhos, de meus propósitos e de meu amor.
Eu havia, no Submundo, em viagens espirituais por lá, contratado com este homem egípcio, um casamento por rebeldia e atração sexual por ele. Me vi no futuro fazendo esta viagem com uma amiga e encontrando ele nas areias do deserto. Vi – me relacionar – me fisicamente com ele e colocar uma venda ilusória para crer que ele era meu grande amor... Mas os olhos dele me contavam da farsa, da mentira que nós dois havíamos inventado para ficar juntos... E nos olhos dele eu reconheci meu medo, o medo de ter em minha vida um homem possessivo, psicótico, doente emocionalmente e espiritualmente, que me privaria de ser eu mesma, de viver, de respirar... E ali, naquela progressão, naquela visita ao futuro eu entendi o porquê de meu medo, o porquê de eu ter medo de ter uma vida limitada e doentia ao lado de um ser masculino. Ele era este homem desequilibrado, seus olhos possessivos eram os mesmos que rodeavam e velavam meu sono, que me esperavam quando eu saía do corpo e me cobrava servidão.
Ele tentou me subjugar e cobrar a promessa feita no Submundo, mas eu não cedi, senti medo da energia desequilibrada dele e de sua fúria, mas eu tinha Anjos ao meu redor, eu estava protegida e havia me curado do medo da solidão, do medo de ficar sozinha e não mais precisava aceitar qualquer ser que me desse algo em troca de minha carência.
Entendi ali que eu estava sabotando meu casamento futuro com meu grande amor, com o homem do Contrato Original. Eu havia comprometido minha relação com meu amor de alma e seria impossível ele se aproximar de mim com aquele homem doente e possessivo...
Presenciei ali a atitude de tantas mulheres que se vendem, como eu, por carência, por ignorância, por rebeldia de enfrentar um tempo sozinha... Que se jogam em braços de homens que não as amam e escravizam, de homens que são doentes e as agridem, as usam, as deixam de lado, mas cobram submissão ao relacionamento, de homens que traem e que não permitem que ambas vivam, de relacionamentos mornos por medo de solidão...
Pensei no caos que aquilo estava trazendo para minha vida e me compadeci de mim mesma, pois havia contratado aquele contrato em um momento de desequilíbrio, de descrença em mim mesma e na minha força de enfrentar as coisas sozinha por um tempo. Pensei no meu amor de alma e fechei meus olhos, vi o sorriso dele estampado no rosto, seus olhos brilhando quando me veem e na nossa casa segura e feliz e minha força interna aumentou para revogar aquela programação deturpada.
Entreguei a aliança que eu já havia removido do dedo, uma aliança espiritual e estendi para que ele pegasse, ele deu um tapa agressivo em minha mão e a jogou no chão...
Conectei minha mente ao meu Protetor Espiritual e pedi que me orientasse, pois eu não queria ferir ele, eu queria era nos salvar daquele abismo sangrento, onde poderia ocorrer mortes físicas. Tentei explicar que seria para o bem dele também, pois isto o livraria de ataques que poderiam coloca – lo em situações perigosas, mas ele não aceitou. Tentou me controlar através da energia sexual de nossas relações no plano espiritual, que ainda estava no meu campo de energia, em meus corpos sutis, mas conectei – me com a amada Mãe terra e removi aquela corrente sabotadora com a qual ele tentava me controlar.
Pensei nas inúmeras mulheres, e homens também, que carregam nos corpos a energia sexual de antigos parceiros e nem sabem disto, nem imaginam o mal que lhes acomete e a manipulação que ainda são detentores...
Me senti limpa e com este estado de consciência fiz com que a aliança jogada no chão fosse desmaterializada e removida para algum local que sua energia pudesse ser útil ao bem de alguém...
Enfrentei os olhos dele e disse não outra vez, o proibi de entrar em meu quarto, de me tocar, de me amedrontar e interferir no meu relacionamento com o amor da minha alma. O proibi de me procurar outra vez, pois ele não aceitava de forma alguma o término e tentava me controlar. Usei de uma firmeza firme, porém delicada, mas não cedi em momento algum, eu entendia a gravidade daquela situação, daquele futuro para ambos e não poderia pensar somente em mim, mas na integridade daquele homem também, pois estávamos entrelaçados naquele acordo e ambos éramos responsáveis por assegurar que as coisas seriam para o bem de todos.
Na minha mente vinham cenas de relacionamentos de amigas que se entregavam cegas em mãos de homens que não as amavam, que não as valorizavam ou que acreditavam gostar e com o tempo, tudo se acabava... Vi os contratos delas ali, na minha frente e de milhares de homens e mulheres que não imagino quem sejam... Vi a teimosia e o medo dominando suas vidas, seu futuro e vi as escolhas mal fadadas por medo de solidão e carência afetiva...
Respirei profundamente e me senti grata, pois ele tentou me tocar para agredir e não conseguiu, eu estava em outra vibração de consciência e havia me libertado. Pedi que ele esquecesse que um dia contratamos aquilo tudo e pedi perdão por ser ignorante e me vender daquela forma...
Voltei com minha consciência tranquila e segura para meu quarto, para minha casa, para a segurança das minhas escolhas amadurecidas. Voltei em paz e senti que dali em diante poderia dormir em paz, pois não mais sairia do corpo e teria de cumprir algo que não me fazia bem...
Sorri, pois eu havia tido humildade para aceitar que havia feito aquele pacto e ser levada para desfazer, antes que ele se concretizasse aqui na terra e colocasse a perder minha real programação de ser feliz nos braços do homem que escolhi e que me escolheu para dividir nossos dias, sob companheirismo e felicidade suave e livre...
Senti quando meu Anjo entrou no quarto e removeu de meus olhos uma venda ilusória feita de uma energia grosseira, mas camuflada, que me fazia crer que aquele homem era meu amor, meu amigo, meu companheiro. Uma venda premeditada por ele, por mim, pelos guardiões do Submundo, para que eu não visse quem ele realmente era, para que acreditasse que ele era equilibrado, bom, paciencioso e um ótimo ser para conviver pelo resto de meus dias. Entendi como minha carência desequilibrada havia permitido que eles me enganassem daquela forma, usando meus medos, imprudência e pressa de ter alguém, para me fazer crer que a vida ao lado dele seria de amor e paz...
E mais uma vez não pude deixar de pensar nas pessoas que usam esta venda sem saber, permitindo, com suas carências e pressa de estar com alguém, de casar, constituir família, uma relação, que seres obscuros usem – nas a seu bel prazer e escolham seres medonhos para inserir na vida delas, fazendo crer que será um mar de rosas...
O que aprendi ali é que a pressa é uma inimiga que venda, que obscurece a razão e a intuição. A pressa é uma decisão, uma atitude que coloca em risco o futuro, as programações verdadeiras e depois... Bem, depois é choro e ranger de dentes nos braços de pessoas que não estavam programadas para fazer parte iluminada em nossas vidas e que por teimosia, rebeldia, pressa, buscamos e contratamos para sanar nossa carência absurda e voraz... Pagamos por companhia no Submundo e depois choramos desesperadas sem entender porque atraímos estes seres, porque casamos com eles, porque enfrentamos relacionamentos que não nos preenchem...
Seja grata ou grato, pela solidão que você enfrenta agora, foi por estar só e firme de querer vencer e ser dona de minha programação original que eu descobri esta mentira que me sabotaria, me desviando do que programei com os Mestres do Criador.
A solidão é o melhor presente que uma alma pode vivenciar, pois a solidão, a introspecção nos faz dar atenção a nós mesmos, não nos deixa fugir de nós mesmos e nos ensina que precisamos serenar na solidão para atrair uma relação verdadeira e calma. Nos ensina que no relacionar – se bem conosco mesmas, atraímos uma relação saudável e benéfica.
É na solidão que você aprende a se valorizar, escutar, entender, dar – se o carinho e atenção que gostaria de receber de um parceiro ou parceira... Quando você aprende a ficar consigo mesmo, aqueles que não devem fazer parte de sua vida, o que te poupa anos ou uma vida inteira de aborrecimentos e lágrimas, são removidos de sua vida até mesmo, antes de te encontrar. Quando você aceita ficar um pouco sozinho com você mesmo e usa isto de forma equilibrada e útil, você aprende a se defender, sabe quem é e o que quer e nenhuma relação ou pessoa vai te desviar deste foco, você se torna um guerreiro equilibrado, você defende sua integridade, defende seus sonhos...
Quando você usa a solidão de forma correta, ela faz o que veio fazer em sua vida e vai embora, porque você aprendeu o que tinha de aprender e ela não precisa mais ficar, pois este espaço será preenchido pela companhia que sua alma sempre desejou.
Gratidão.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Como surgiu o Curso Contratos Sagrados, Paula?



Desfazendo Contratos Deturpados.


(E eu precisei aprender a descer ao Submundo (e aceitar que havia algo estranho que mantinha aqueles ciclos viciosos) e desfazer aqueles casamentos, aquelas mortes precoces, as crenças sobre merecer aquelas doenças e... Resgatar meu poder interno de comandar minha mente e minha vida quando reencontrava estas pessoas e atraía estas situações repetitivas. Eu entendi que ali, haviam contratos inconscientes para adoecer, ser servil, ser morta, acatar relacionamentos amorosos que não mais faziam parte de minha programação, para defender minha integridade, minha programação, meu Contrato Original e meu grande Amor e nossa vida juntos... Pois sempre depois das tempestades nos reencontravamos e eu não mais queria reencontrar ele no final, mas no começo das minhas vidas sucessivas.).




Regressão do mês de setembro de 2013.

Sintomas: pele escamando, com coloração amarelada, sinto – me doente, vejo cena fixa de uma menina em um banheiro, com uma doença grave, caí no chão do hotel em Ametista do Sul e machuquei muito o cóccix.

...Vejo – me com um rapaz, temos uma afinidade muito grande e acreditamos que somos o amor um do outro, nossas famílias se gostam muito e fazem questão de nosso relacionamento. Estamos noivos e passamos a maior parte do nosso tempo juntos, conversando, namorando e nas terras de minha família, minha família tem muito dinheiro, assim como a dele. (Este noivo é meu melhor amigo nesta vida como Paula).

Namoramos desde muito jovens, devo ter agora uns 15 anos. Meus pais tem uma casa de dois pisos em um local retirado e amo muito aquele local, Logo adiante, alguns poucos quilômetros, do outro lado da estrada, os pais dele possuem uma casa de descanso também.

Gostamos de conversar e estar juntos e tivemos uma única relação sexual.

...Ele morreu e meu mundo ruiu, junto com esta perda iniciaram sintomas de desmaio, depressão e quedas frequentes, onde eu me machucava muito. Fui a médicos e especialistas e meus pais me acompanham.

...Alguns anos se passaram e minha luta é frequente, pois tenho lutado incansável contra uma leucemia. O tratamento quimioterápico é forte e deixa – me muito abalada. São anos de sessões, expectativas e dedicação e já não aguento mais... Minha pele está agredida, meu cabelo não existe mais, sou muito magra e uso um leno delicado ao redor da cabeça. Sou uma moça bela, com grandes olhos, pele muito clara e alta. Junto comigo eternamente uma senhora que cuida – me, mima – me e segue – me em função do meu tratamento e vigia – me devido aos desmaios frequentes. Sinto muita falta de meu noivo e nunca mais desejei voltar a casa de campo que visitava - mos e passava – mos nossos dias.

Como Paula, durante esta sessão de regressão, posso ver meu noivo obsediando – me incansável. Alimento a culpa por ter perdido ele, por não ter morrido também.

Estou avisando meus pais que não vou continuar com o tratamento quimioterápico e que desejo viver longe do meu país de origem, não aguento as lembranças e isto faz com que eu adoeça ainda mais. Estou dizendo que irei para Paris, pois temos uma casa lá.

Meus pais concordam, pois são maravilhosos e querem meu bem. Criaram – me independente e sabem que não conseguirão fazer com que eu mude de ideia.

Junto comigo irá minha protetora, a senhora que cuida – me desde criança.(Nesta vida atual ela é minha amada amiga).

...Estou morando em Paris, sigo minha vida, cultivo pacientemente minha tristeza interna e não tenho noção do que isto causa em minha doença física. Saio sozinha e tenho uma vida normal, meus cabelos crescem e estão curtos. Estou mais disposta sem o tratamento.

Fui a algum local e estou voltando para casa, sinto – me mal e desmaio. Acordo em um hospital em Paris. Um jovem médico examina – me e faz o atendimento necessário. Digo – lhe que tenho câncer e é por isso que passei mal.

Ele faz todos os exames necessários e cuida – me durante o período em que estou ali. Minha protetora quer avisar minha família, mas peço – lhe um tempo, se não ficar boa, poderá chama – los.

...O jovem médico me convenceu a buscar por um transplante e mudar o rumo de meu tratamento, descrente concordo, pois sinto que ele me faz bem e me trás esperança com seu modo ético, amoroso e vívido de relacionar – se comigo, como paciente.

Meses se passam, nos tornamos amigos, confidentes, saímos juntos, rimos juntos e adoramos a companhia um do outro. Conheci sua família, pais amorosos, gentis e despidos de preconceito, eles seguem uma linha reencarnacionista e dizem que o poder do pensamento tem muito a ver com os males físicos. Me apaixono pelo que dizem, pelo que professam e vou ao local de orações que frequentam, tipo uma casa espírita, muito organizada.

Inicio um processo intenso de mudança de frequência, pensamento e dedicação a minha cura, começo a acreditar que sou merecedora de me curar e seguir com uma vida saudável, feliz e consciente de que outro lado de toda aquela situação existe.

Não ficamos mais um dia longe um do outro, somos amigos, mas acima de tudo, existe uma confiança e carinho entre nós que nunca vivemos com ninguém.

Estamos em uma praça, posso ver a torre Heifel as minhas costas, estamos passeando e rindo...Conversando muito...

Ele se aproxima, delicado, olhos nos meus olhos e eu deixo que me beije, pois quero retribuir. Meu coração se enche de emoção, pois é um toque tão querido, tão amoroso e delicado, que nos perdemos por uma fração de segundos que durou aquele toque. Nós nos amamos...

...Dedico – me em tempo integral a estudar os aspectos energéticos e mentais de meu comportamento que causa a doença que tenho e a vida que levei depois de perder meu noivo. Sou integrante no auxílio aos espíritos que não possuem mais um corpo e dedico – me a ajudar aqueles que precisam de mim. Não tenho faculdades mediúnicas fortes, mas uma vontade enorme de ser útil e amar o que vier a fazer dali pra frente, e o que quero morrer fazendo é lidar com aquele novo mundo que conheci através daquele jovem médico dedicado.

A família dele me chamou para uma conversa, sua mãe, seu pai e ele, ele é filho único e preparam – me para saber que sou obsediada pelo meu noivo. Eu aceito, pois sinto que posso confiar nisto que me dizem. Inicio um processo de libertar – me da influência dele. Sinto que devo me retirar definitivamente da vitimização de te – lo perdido e de achar que não foi justa sua morte.

Ao longo do tempo, e do amor que sinto por este médico, consigo ver que nunca fora amor o que senti pelo noivo e sim uma amizade muito grande. Consigo um doador e passo pelo processo de cura.

...Estou curada, posso ter uma vida normal e isto me deixou imensamente feliz e grata a mim mesma, pois entendo que eu sou responsável pelo meu processo de cura, em conjunto com as energias universais que me ajudam.

Estou tendo uma conversação com meu ex - noivo, não o vejo, mas senti que preciso me despedir dele e deixar claro que o que sentia - mos um pelo outro não era amor verdadeiro, pois um amor verdadeiro nunca acaba, mesmo com a morte do corpo físico. Comparando com a relação com  Marcos, jamais poderia ter sido amor. Sinto que está reticente, o sinto, mas não posso ceder e mesmo que quisesse não conseguiria, minha vibração não mais deixa – o me obsediar. Achei correto conversar com ele antes de eu me permitir partir e viver a minha vida.

...Muitos anos se passaram, eu e meu amor vivemos um para o outro, para o estudo e auxílio da espiritualidade. Dedico – me muito naquele local de auxílio e sinto – me uma mulher muito feliz. Não lembro de em algum momento termos brigado, nossa vida é amizade, companheirismo e dedicação, nunca perdendo nossa privacidade individual.

O que sinto ao lado daquele homem me emociona ainda hoje, me sinto livre, independente, realizada, amada, respeitada e consigo passar tudo isto a ele.

...Estou velha, não tivemos filhos, eles simplesmente não vieram e isto nunca nos incomodou... Eramos felizes e tínhamos um trabalho espiritual, os filhos viriam quando fosse o momento.

Meu amor partiu antes de mim e eu segui a vida trabalhando, estudando e sendo feliz...

...Estou em uma poltrona, na nossa casa, em Paris... acho que morri, sem dor, sem sentir...




Regressão do dia 22 de novembro de 2013.



Sintomas: Cansaço, vontade de chorar, identifiquei chips instalados de forma grave em meu rosto, cabeça e garganta, sensação estranha de estar prendendo UMA AMIGA ÍNTIMA, de forma a não deixa – la crescer, identifiquei conversações mentais em relação a ela como se eu estivesse me vingando.



...Sou uma moça muito jovem, meu nome é Hellen Dubbois. Sou branca, tenho cabelos longos e claros. Moro em um local retirado, como uma casa de campo, muito linda, luxuosa e com enormes extensões de terra. Tudo ali é lindo e bem cuidado, o gramado me encanta pelo seu verde e limpeza. Há um balanço em uma árvore à beira do precipício, gosto de balançar ali, há um jovem rapaz que embala – me e cuida para que eu não caia. Nos damos muito bem, ele é meu irmão e nesta vida como Paula ele é meu irmão outra vez (Júlio).

Temos casa na cidade, mas em minhas condições ele achou melhor eu viver ali, longe dos olhares e comentários. Há uma senhora jovem muito amorosa conosco, ela nos cuida desde crianças e é a mãe que não tivemos. Nosso pai antes de partir a deixou responsável por nós e ela é amada por nós dois. Ela é minha amiga atual Rosemari.

Vivemos ali em paz, temos recursos financeiros e somos de boa índole, nada financeiro nos preocupa.

Gosto de andar pelo gramado extenso em frente a casa grande, gosto do bosque e de sentar por ali, no chão, aceitando os raios do sol. Algumas vezes meu irmão senta ali comigo, não conversamos muito, mas nos damos bem.

Estou no gramado, quase sempre há um sol lindo e a brisa suave. Estou tendo uma crise. As tenho com frequência espaçada, mas quando acontecem fico semanas de cama e muitos dias dormindo. Meus músculos se retorcem e caio ao chão, sinto espasmos e meu corpo se arrasta pelo chão, é como se eu saí - se fora de mim quando isto ocorre e não tivesse o poder de dominar meu corpo e minha mente, muito menos minha vontade. Meu irmão me ajuda, é difícil controlar – me nestas crises e ganho uma força fora da que possuo como Hellen.

(Como Paula posso presenciar um espírito de homem agredindo aquela mulher. Ele a domina e a pega pelos cabelos e a arrasta pelo gramado. Um laço está em sua mão e dele saem ganchos que a prendem no rosto, cabeça, garganta e órgãos genitais. Identifico este espírito como minha amiga íntima, a qual senti que eu prendia).

Ninguém consegue presenciar estes ataques e acreditam que fazem parte da doença nervosa que a ataca e faz com que seu corpo fique retorcido e dolorido.

Há muitos anos aquilo acontece e ando lentamente, pois a atrofia muscular inibe muito de minha movimentação natural. Desde que sinto tudo aquilo, não reclamo, procuro levar uma vida tranquila, ser uma pessoa fácil de lidar e de boa vontade, pois sei que sofrem comigo com tudo o que acontece. Aceito bem aquela limitação, não a entendo, mas não revolto – me...

Estou acordando... Há um médico jovem no meu quarto, ele é chamado quando entro em crise, para cuidar meus batimentos cardíacos, pois fico dias dormindo e para controlar a situação física que está acontecendo. Ele é da confiança de meu irmão. (meu ex marido nesta vida atual).

Estou acordando, neste meio tempo de “coma”, uso fraldas e acordo muito cansada e lenta. Peço para sair para o sol e deixam.

Estou na frente de casa, de pijama, é um vestidão longo e com babados, branco. Estou segura no para –peito e saboreio o sol. Sem que eu espere vejo a imagem de um enorme homem ao meu lado, furioso e ele tenta me agredir. Assustada tento me defender e uso os braços, mas percebo que ele não consegue me atingir, pois uma luz, um círculo me defende da aproximação dele. Fico muito abalada, pois além de não entender o que vejo, a raiva que aquele ser demonstra contra eu é enorme e pavorosa. Acho que desmaiei...

...Estou no meu quarto deitada... Vejo – me elevar – me acima do corpo que está na cama e fico presa por um fio... Flutuo... Estou calma... Apenas observo o que acontece.

...Acordei e vejo meu irmão e o médico sentados em poltronas, dormindo em meu quarto. Estou muito bem disposta, sorridente, empolgada, consigo me mover com mais rapidez...

Conto o que aconteceu, falo com alegria sobre o que estou sentindo, como se eu acordasse de um sonho ruim e agora estivesse livre.

...Estamos na sala, estão todos ali ouvindo – me, não falam nada, escutam e observam meus movimentos faceiros na sala. Sento no sofá para continuar meu relato, mas algo acontece e sinto – me ser erguida do sofá e ser arrastada por cima da guarda e jogada no chão com estrondo.

Todos levantam – se assustados, pois aquilo é algo inusitado e estranho, estão assustados com minha queda. Uma força maior do que eu me arrasta até a sacada dos fundos, anexa na sala, enquanto todos tentam me socorrer. Ouço meu irmão falar que aquilo é impossível de ser uma crise.

Tentam segurar – me, mas ao ficar em pé tenho uma força descomunal e os empurro para longe. Sorrio irônica e matreira e me aproximo de cada um dos homens...

(Eu Paula posso ver uma mulher dominar aquele corpo físico de Hellen.) Ela é sensual, maldosa e usa roupas agressivas.

Meu espírito está no chão desnorteado e fraco, fui arremessada para fora do meu corpo para que ela o domine. Uma luz muito linda incide naquele lugar e automaticamente me arrasto para ela, como que buscando segurança. Braços de homem me envolvem e me amparam enquanto estou jogada no chão. Sinto emoção, pois é Wal, meu amado Wal que está ali. Ele diz que tudo aquilo vai passar e que venci aquela etapa e que tenho merecimento de buscar entendimento consciente, pois venci a etapa sem me queixar, sem revidar. Diz que as ferramentas irão surgir e que eu apenas aprenda.

...Estou acordando em meu quarto, todos dormem e sem fazer barulho saio para o jardim, me sinto bem, estou tranquila, sou alguém tranquilo... Ando pelo jardim e vou até o bosque de pés descalços, preciso respirar, preciso entender algo, conectar – me com algo que não entendo, pois até aquela idade nós não tínhamos nenhuma crença, nenhum dogma ou tipo de fé. Eu só sabia que precisava fazer algo para mudar meu entendimento do que acontecia comigo e o por que de ter presenciado aqueles seres, aquelas saídas do corpo.

Estou voltando para o jardim, meu irmão vem ao meu encontro, preocupado, mas não me reprime, digo que vou sentar na beira do abismo para pensar. Fiquei ali a manhã toda... Sentada, olhando o sol, olhando o horizonte... Sentindo o calor do sol aquecer minha alma como nunca sentira antes. Era diferente, pois agora eu procurava por algo...

Deitei ali na grama com a cabeça voltada para o horizonte... vejo meu espírito sair do corpo e ir ao encontro daquele lindo homem que amparou – me no momento do ataque daquela mulher. Ele me diz que eu siga meu coração, que não há uma estrada exata, mas que eu confie que chegou o momento de libertar – me definitivamente de tudo aquilo. Que eu use meus recursos financeiros para aprender sobre eu mesma, pois outros vão precisar do que eu aprender. Que eu confie, pois seguirei o rumo certo se decidir aprender. Eu confio mais do que tudo nele e sinto a verdade em meu coração, não tenho medo, nem ansiedade, é como se meu caminho estivesse traçado me esperando. Ele leva – me em uma casinha simples e ao entrar vejo dois homens com os quais eu tenho que resgatar aqueles ataques, eles são convidados a aprender comigo, pois tudo vai mudar.

Estou acordando no jardim e vou em direção a casa, sei que estão lá dentro me espionando para minha segurança, eles tem medo que eu vá sozinha no balanço, pois os nervos de minhas mãos e dedos já não seguram com firmeza as coisas.

Comunico que vou em busca da minha cura, do meu conhecimento e que ninguém vai me impedir. Sabem que estou decidida, mas meu irmão pede aquele médico que vá comigo e cuide – me, pois irá ressarci – lo pelo trabalho. O médico recusa pagamento e diz que irá por amizade.

Não me importo, só sei que preciso seguir o mais rápido possível em busca de entendimento do que acontece comigo. Meu irmão nunca sai daquela casa, não se permite voar mais alto...

Estamos na França, em Paris, sou espectadora das mesas girantes e dos fenômenos mediúnicos que ocorrem. Observo tudo com respeito e procuro aprender. Aquele médico me acompanha, mas não faz questão de aprender ou enriquecer – se com aquela ferramenta. Eu amo tudo aquilo, bebo da fonte da alegria por fazer parte daquele mundo e daquele presente.

As crises nunca mais ocorreram e sigo de cidade em cidade, de país em país aprendendo, estudando, observando e fazendo parte daquele mundo espiritual, possessões, doenças manifestas através da subjugação espiritual e as saídas do corpo. O material sobre viagens astrais é escasso e não seja por alguns relatos de pessoas que o fizeram, não há livros que possam nos ajudar.

Continuo saindo do corpo e entrando em contato com aquele ser de luz que amo e respeito e que devota – me amor e paciência.

...Voltei para casa e reencontro minha segunda mãe e meu irmão, estou feliz por ve – los. Comunico que desejo transformar o casarão abandonado e atender com seminários pessoas de todos os lugares, meu irmão concorda e o deixo responsável pelas obras. Desejo que seja restaurado, pois é no alto da colina e é um local rodeado por natureza e paz.

Aviso que não irei acompanhada desta vez, que o médico não precisa mais me acompanhar. Ele retruca e sinto sua mágoa e sua tentativa de comandar – me. Sou firme e direta e lhe falo sobre não querer aprender, já sei que ele é um dos espíritos que foi convidado a libertar – me e aprender e como não tem se esforçado, é hora de nos separarmos e seguir caminhos diferentes. Ele fala de ter aberto mão de tudo e do financeiro para seguir – me e digo – lhe que fez aquilo por vontade própria e escolha íntima, que não culpe – me agora.

Daquele dia em diante nunca mais o vi e continuei seguindo por países e estudando, fiquei alguns anos fora e mandei cartas ao meu irmão com coordenadas do casarão e de como eu o queria.

Estudei com um monge que admirei por toda aquela vida e que se tornou um grande amigo. Me especializei nas artes orientais e segui ministrando a parte espiritual que fazia parte do meu coração e de minha programação na terra.

...Voltei para casa, o casarão em estilo oriental, com suas abas largas como na china, ficou exuberante e lindo, meu irmão fizera um belo trabalho. O dinheiro que ganhava pelo mundo ensinando era revertido para minhas viagens, estudos e a manutenção do local de retiros que eu batizara naquele local. Meu mestre e instrutor veio da china e ficou alguns anos ali, ensinando, vivendo e ajudando, enquanto eu ainda viajava mundo a fora em busca de aprendizado e divulgação do meu trabalho.

Estou no topo das muralhas da China, sinto o vento forte açoitar meu rosto e meus cabelos... Um homem aborda – me e sinto meu coração bater de forma diferente. Ele me diz que sente que já me conhece e sinto sinceridade em suas palavras. Sorrio... Ele pede – me um contato, algo para procurar – me um dia e digo – lhe do espaço para retiros que possuo, se um dia quiser aparecer por lá...

...Muitos anos se passaram, há pessoas trabalhando no retiro comigo, temos hospedagem no casarão e usamos o espaço externo para meditar, cursos, vivencias e exercícios.

O Mestre me informa que precisa partir, pois sua estadia ali acabou. Sinto tristeza, mas o liberto, sei que ele tem uma jornada a cumprir...

Estou trabalhando no casarão, há um retiro de meditação e quebra de contratos, há muitas pessoas deitadas em tapumes, espalhadas pelo chão, fico caminhando ao redor delas, orientando... O retiro acabou, estou no grande saguão de meditação do casarão organizando o restante para que tudo fique em ordem. Ao voltar – me encontro um homem, de uns 40 anos, olhando – me com um sorriso. Eu o reconheço, é o mesmo homem que abordou – me nas muralhas naquele final de tarde a mais de 8 anos atrás ...

Diz que agora podia me procurar, que antes disso precisou amadurecer, ser independente dos pais, pois naquela época era um peregrino que viajava estudando e acabara de posicionar – se na formação acadêmica. Sorrio, sinto que ali começa uma longa história com aquele buscador de conhecimentos. Seus pais morreram e agora ele era sozinho.

...Os anos se passam e trabalhamos juntos, lado a lado no casarão, ele é fisioterapeuta e atua com crianças com deformações e limitações físicas, meu trabalho é espiritualiza – las e orientar sobre contratos deturpados e subjugações espirituais que as fazem manter – se naquela vibração e limitações. Amamos o que fazemos e nem vemos os anos passarem, quando folga meu trabalho dentro do casarão saio para o jardim e orientada por Márcio auxilio no alongamento das crianças que não caminham. Ele fica no grande jardim, envolvido com os grupos de crianças e viajamos muito em busca de aperfeiçoamento. Nossa vida é leve e apesar do amor e parceria que sentimos um pelo outro, isto não nos limita ou atrapalha, pois não dependemos um do outro para nos sentirmos plenos e completos, já o somos por nós mesmos. Nunca houve uma briga ou desentendimento sequer entre ambos. Estou com mais de 40 anos e recordo nosso casamento espiritual, casamos no mesmo lugar que nos conhecemos, no topo da grande muralha, abençoados pelo vento, pelo céu e meu querido Mestre Kohan. Apenas nós dois, ali, em comunhão com nossas crenças, nossas buscas por melhoria interna.

Pessoas de todos os países chegam para tratar – se no casarão, pais trazem seus filhos, pois o trabalho fisioterapêutico do querido marido é muito eficiente. Meu irmão continua ali, sempre disposto a ajudar, sua personalidade é introspectiva e pouco se mistura.

Digo isto a ele, que ele possui um contrato e que deveria mexer nisto e libertar – se, sair daquela casa e voar... Ele gentilmente me diz que não quer fazer isto e digo – lhe que nunca mais tocarei no assunto, a não ser que me peça. Dou – lhe um abraço fraterno e sigo com meu trabalho. Moramos no casarão quando estamos em casa e meu irmão mora na casa grande, a de nossa infância.

...Estou com mais de 50 anos, sinto – me um pouco cansada e há uma tristeza em minha alma, meu marido partiu para o mundo espiritual e sua ausência custa – me muito. Estou indo para a China com suas cinzas em um lindo cálice de prata oriental. Sob as grandes muralhas eu choro a minha saudade e deixo que o vento leve sua lembrança física e se espalhe pelo grande céu acinzentado. Wal está ali comigo e vejo o espírito de Márcio, ele está muito bem e se despede, pois agora iniciamos uma fase separados para nos reencontrar - nos mais adiante.

Sigo a vida trabalhando e não cultivo a tristeza, nem a saudade doentia, sei que é uma fase que preciso vencer e que ainda tenho trabalho a exercer com qualidade sobre a terra. Minha querida mãe partiu também para o mundo dos espíritos e ficaram eu e meu irmão. Ele é mais velho do que eu.

... Estou com mais de 65 anos, vejo meu irmão sentado na varanda da casa grande, pegando sol, ele está bem velhinho, com mais de 70 anos...

Estou trabalhando no jardim e vejo Wal, ele vem me dizer que naquela tarde eu vou partir para o mundo dos espíritos...

Estou indo em direção ao meu irmão, sentado na varanda, quero me despedir dele, pois nada posso fazer contra aquele desígnio e terei de deixa – lo. Sinto vontade de chorar, mas não é de tristeza ou revolta, estou muito tranquila, só o que me preocupa é ter de deixar meu irmão já velhinho e sozinho, pois ele não constituiu família e nem eu tive filhos. O beijo e abraço sem nada dizer e sigo para o casarão, ali, deito – me em um tapume e sigo em silêncio em minha mente, aguardando o momento da despedida do corpo físico. Agradeço por tudo que tive, pelas oportunidades e seres que fizeram parte de minha trajetória. Sou muito grata por aquela linda vida que vivi... Sinto um aperto no peito, muito forte que faz com que meu corpo arque e saio do corpo, vendo Wal aproximar – se com meu querido marido ao seu lado. Nos abraçamos e logo vejo meu irmão chegar em espírito. Fico surpresa, mas ao mesmo tempo muito feliz, pois ele partiu também junto comigo. Seguimos calmos para o jardim, em direção a um lindo portal d e luz que se abre no abismo, onde eu sempre sentava e adentramos...

Chegamos em um local espiritual, de serenidade e calmaria, ali, nos abraçamos mais uma vez, agradecemos por fazer parte da vida um do outro e seguimos rumos diferentes, pois outras fases evolutivas nos aguardam. Todos estamos bem...



Regressão de outubro de 2013.



Sintomas: descobri que um paciente que procurou – me para tratamento seu e dos familiares é alguém que já encontrei em outras vidas, trocamos um olhar onde ele inconscientemente fez questão de me lembrar isto e fiquei preocupada, pois sinto que não é uma boa ligação.

Descobri que estava ainda casada com ele nesta atual vida em que nos encontrávamos na espiritualidade inferior e que ele é um grande chefe do plano inferior.



Regressão: Vejo – me trancada em um pequeno cômodo com uma criança, um menino de um ano mais ou menos. Estou apavorada e escuto pancadas na porta que tranquei por dentro. Meu marido está do outro lado esmurrando a porta, furioso comigo. Não aguento mais apanhar, ser tratada como um animal acuado e seguir ordens cruéis e bitoladas. Estou com fome também.

Há uma pequena janela mais acima e coloco o menino e logo em seguida escalo e também saio para o lado de fora. Estamos no telhado, posso ver as casas dos vizinhos, choveu, está escorregadio. Pego a criança no colo e com cuidado fujo pelos fundos, posso ver – me correndo desesperada por uma estradinha alagada da chuva e vejo a grama tocar meus pés. Estamos de pijama e calço um chinelinho que acompanha a roupa. Corro, mas corro tanto e com tanta garra que logo consigo alcançar a cidadezinha onde moramos, mais interiorana. É algum local nos estados unidos.

Ninguém ali me conhece, chegamos a esta cidade a alguns meses e ele não me deixa sair de casa, permaneço eternamente trancada em nome de seu ciúme doentio e de suas manias psicóticas.

Identifico neste homem o espírito de meu paciente.

O menino que está em meu colo é meu atual filho.

Estou olhando para todos os lados, estou apavorada, molhada e de olhos arregalados, pois a qualquer momento ele pode me alcançar. Nunca fugi e sei que se ele me pegar o castigo será terrível. Há um hotelzinho simples ao lado e penso em entrar, mas não posso contar o que ocorre e muito menos ficar exposta usando pijama. Me escondo atrás de um grande carvalho que há por ali e aguardo carros antigos passarem, temendo que um deles seja de meu marido. Algumas pessoas passam e olham – me curiosas, mas evito olhar diretamente para elas.

O fim da tarde inicia e meu medo é ficar ao relento com meu filho, ele começa a queixar – se de fome e desconforto e eu me sinto desesperada.

A solução é sair da praça e ir para algum local mais retirado, assim posso ficar escondida até saber o que fazer.

Sigo automaticamente por uma estradinha longa que me leva para fora da praça e da cidadezinha rústica e sinto muito cansaço com tudo que está ocorrendo. Há semanas ele entrou em crises mais violentas e me tortura emocionalmente e mentalmente sem tréguas. Limita a alimentação de meu filho e a minha e quando está mais irritado me bate. Ele é um homem muito alto e forte e sinto – me minúscula para me defender fisicamente.

Caminho, caminho e meus nervos estão em frangalhos, pois o peso da criança e a fome me castigam. Ainda garoa e o chão está com muita água. Estou em um campo limpo, apenas uma ou outra árvore, sinto vontade de sentar sob uma árvore, mas a noite vai chegar e não posso ficar ao relento com aquela criança.

É noite, cheguei a uma fazenda, ali as fazendas são muito comuns, pois é um estado interiorano de plantações de milho, arroz e outras coisas. Meu marido é um advogado e está ali para cuidar dos interesses burocráticos dos fazendeiros. É um homem conhecido, poderoso e respeitado por sua sagacidade advocatícia.

Estou em um celeiro aberto nas duas extremidades, meu filho quase é solto por minhas mãos, pois não aguento mais... está escuro e meus olhos desesperados e cansados só focam um cantinho escuro com feno onde posso repousar. Meu peito está oprimido e não sei o que vai ser de mim e da criança depois daquela atitude desesperada que tomei. Não tenho nada, sou de família humilde que já partiu a muitos anos para o plano espiritual. Sou sozinha, jovem demais e meu marido bem mais velho do que eu.

Sinto uma paz acalentar meu peito quando vejo aquele cantinho seguro e enquanto me dirijo a ele um homem muito alto entra no celeiro e flagra – me. Me sinto petrificada e descoberta...

Ele olha – me sem fazer alarde e questiona quem sou e o que faço ali...

Se eu der um passo em falso serei entregue ao meu marido, aquela década é regida pelo poder masculino e esposas tem pouco querer.

Digo que me chamo Sílvia... E não consigo dizer mais nada. Ele automaticamente segue o ruído de meu filho no cantinho escuro. Fico congelada e em pânico que ele faça algo e nos escurrace.

Ele se aproxima, tem uma ferramenta em mãos, como um garfo de feno, olha – me nos olhos entre a penumbra do local e deixa de lado a ferramenta.

Diz que vamos até a casa grande. Obedeço, pois pior do que está só sendo entregue ao meu marido e por enquanto ninguém sabe da minha história. Eu choro quieta, mas me mantenho firme, ele pega meu filho no colo e nos leva para uma casa em madeira, muito grande, com varanda e porta de tela para afastar os insetos do campo. Há luz acesa... Sigo atrás dele, silenciosa e com medo.

Ele entra e chama a mãe dele, logo uma senhora de idade, muito bonita e jovial aparece e se surpreende com nossa presença. Ele diz que nos encontrou no celeiro e ela trata de aproximar – se e ser solícita.

Coloca – me sentada no sofá e ele leva meu filho para a cozinha, ainda no colo, não os perco de vista. Estou um trapo humano e torturada pelo medo e impotência que sinto diante de ter sido descoberta. Vejo de relance ele organizando coisas e potes e meu filho semi acordado com a cabecinha no ombro do homem gigante.

A senhora diz que se chama Eleonor e tenta me acalmar, pois choro em silêncio. Diz que vai ficar tudo bem e que nada vai nos acontecer. Quando ela me diz isto, a única coisa que consigo pedir entre lágrimas é que ninguém pode saber que estou ali com meu filho. Ele vem da cozinha e me olha e os dois concordam.

Oferecem – me banho, roupas limpas enquanto cuidam meu filho. Quando volto ainda desconfiada encontro os dois com meu filho, como se fossem velhos conhecidos.

Estão mais a vontade e vejo – o sorrir, procuro não olhar nos olhos dele, pois meu marido me ensinou a não olhar em seus olhos como uma atitude de respeito.

Servem – nos alimentação na mesa da aconchegante cozinha e posso ver que ele se vira muito bem entre os cuidados para conosco. O tempo todo a senhora trata de ser gentil e me acalmar. Dou o que comer ao meu filho e trato de juntar todos os grãos que ele derruba, pois é inadmissível deixar migalhas espalhadas. Meu marido é muito metódico e nos corrige brutalmente se não nos comportamos com minucioso comportamento em frente a mesa e alimentos.

Ele prepara um sanduiche para mim e procuro enrolar em um guardanapo para viagem, pois sei que vai ser difícil alimento pelo caminho. Ele me tranquiliza e diz que há mais comida, que posso comer sem receio. Estou faminta, mas pouco a vontade ali.

Deram – nos um quarto com uma cama de casal, confortável e nos deixam dormir na casa. Deito e acabo adormecendo profundamente, pois estou exausta, assim como meu filho. VEJO QUE O HOMEM GRANDE E A MÃE SÃO MUITO UNIDOS.

Reconheço no espírito desta senhora a minha amiga desta vida atual.

Amanhece... Estou organizando tudo que usei e deixando tudo no lugar, mas ouço batidas na porta e a voz de meu marido. Entro em pânico e não posso fugir, pois na janela do quarto térreo há uma grade. Ouço alguém abrir a porta que range devido a porta de tela e ouço o dono da casa cumprimentar meu marido.

Nada mais vem em minha mente do que o desejo de esconder – me, fugir, nunca mais ser tocada por aquele homem.

Pego meu filho e escondo – me ao lado do guarda roupas, onde há tábua de passar e outras coisas entulhadas e me mantenho em silêncio desesperado. Não sei quanto tempo se passa, mas ouço baterem na porta do quarto e procuro nem ao menos respirar de medo. Meu filho ainda dorme em meus braços.

Logo a senhora entra e em segundos adentra seu filho, sua voz forte questiona onde estou e como sai do quarto e isto acorda o menino que resmunga. Logo ele me descobre escondida e em pânico.

Acalmam – me e ele pega o menino, explicam – me que temos um acordo e que ninguém vai saber que estamos ali até que eu queira isto.

Nos dão alimento e carinho e meu filho adora aquelas pessoas de coração gentio e humano.

Ele fala de meu marido na minha frente e se eu olhasse nos olhos das pessoas sem ter assumido aquela servidão e submissão a qual fui obrigada pelo marido, eu teria visto que ele estava me testando e a minha reação. Petrifico na hora em que ouço a menção daquele que me escravizava e torturava todos os dias, que me fazia passar fome e humilhações entre quatro paredes.

Os dias passam e permaneço ali, procuro ajudar na casa e a senhora pergunta – me se não desejo voltar com ela para a cidade, pois possuem uma outra fazenda no centro do estado e lá talvez eu me sinta melhor. Meu coração bate acelerado, é uma oportunidade de fugir daquela vida e criar meu filho sem que seja um escravo das torturas do pai.

Parece que o filho concorda com a mãe e permite que eu vá junto, prometo que ajudarei em tudo que for preciso e que vou trabalhar para pagar minha estadia.

Aquele homem é muito gentio, seu sorriso é claro, franco e sensível.

...Estamos na cidade, na outra fazenda, muito longe de onde eu fugi... Ali procuro fazer tudo que posso, ajudar muito para pagar tanto carinho e respeito daquelas duas pessoas. Meu filho anda com ele por onde vai e me sinto tranquila, mas meus olhos estão sempre na porteira, preparados para a qualquer momento avistar o carro do ex marido, pegar meu filho e me esconder. Não tenho paz, mas sou mais feliz ali e naquela vida.

Eleonor me trata como uma filha e ama meu filho, nos damos muito bem. Ela me contou que perdeu o marido e que Marcos, seu único filho assumiu todos os bens e fazendas do pai e que isto exige muito dele.

...Estou no pátio juntando feno, gosto de fazer de tudo e nunca me pediram algo ali, mas insisto em voltar minha cabeça e olhar para o grande portão da estrada...

-Eu o demiti... Ele nunca virá aqui, procurei uma boa desculpa e dispensei seus trabalhos de advocacia.

Olho pela primeira vez nos olhos daquele homem e sinto uma vontade enorme de chorar, pois pela segunda vez ele me salvara e ao meu filho. Ele se aproxima, segura meu queixo e me beija. Um beijo tão suave e delicado que faz com que todo meu corpo e minha alma respondam com amor e entrega. É como se eu voltasse a beijar alguém do qual eu nunca me separara, como se aquele toque viesse curar minha solidão e preencher um vazio que era por falta deste homem que naquele fim de tarde me tocava... Como se eu sempre houvesse sido dele e esperado pacientemente por ele... E todos meus passos me levavam até ali, aos seus braços fortes e os mais delicados e respeitosos que eu conheci...

Depois daquele dia nunca mais nos separamos, vivemos uma parceria e um amor sem cobranças, apenas nos bastava estar juntos e seguir nosso coração... Amei e amo perdidamente este espírito gentio e humano que me faz querer liberdade e conhecimento, por que sei que quanto mais me conhecer, mais feliz serei ao seu lado.

Trabalhamos lado a lado e seus incentivos me mostraram uma mulher que jamais supuzera que eu fosse. Meu filho cresceu sob seus cuidados de pai amoroso e paciencioso e ali, naquela linda fazenda nos amamos, crescemos, amadurecemos e tornamos reais todos os sonhos que nossas almas tinham.

Estudei muito, me dediquei a minha sogra, meu marido, meu filho e a mim mesma e me tornei uma ajudante de mulheres que passaram pelo mesmo que eu. O reconhecimento veio e fui chamada a vários estados para ministrar palestras e isto se tornou minha vida. Ajudar mulheres a serem mulheres e assumirem seu poder interno e dependerem de si mesmas e acreditarem que o real amor era possível, pois quando aprendessem a valorizar o autorrespeito e o auto amor, automaticamente o amor externo viria.

...E chegou o dia em que minha maturidade me deixou enfrentar meus fantasmas e eu fui convidada a voltar a antiga cidade que vivi sob as torturas daquele que um dia assumiu o papel de marido. Lá enfrentei seu olhar gélido e seu ódio a distancia, pois ele não poderia tocar – me ou ao meu filho, pois a sociedade saberia quem era e o que tinha feito comigo.

Eu já o havia perdoado, mas naquele momento eu aprendia a enfrentar o medo que eu ainda tinha dele e descobri que meu voo não lhe permitia alcançar – me...

O sucesso foi grande e o transformei em um livro, o qual correu o país e auxiliou muitas pessoas.

Entre tudo isto meu marido me acompanhava, minha querida sogra já havia partido para o plano espiritual e meu filho era uma rapaz feito e honesto. Éramos unidos, felizes e tranquilos, sabíamos o valor do nosso relacionamento e nossas prioridades.

Muitos anos se passaram entre muito amor, união, prosperidade e sucesso no meu trabalho como escritora e palestrante.

...Acredito que já estou com quase 60 anos e continuo na estrada palestrando, escrevendo e sendo feliz internamente, pois era merecedora de estar ali, exatamente como planejara para minha vida.

Estamos em um evento grande, posso ouvir burburinho de pessoas que me pedem autógrafos, risadas e meu marido ao meu lado. Estamos saindo de um local de eventos e paro para autografar...

Sinto algo quente em minhas costas e arde... E pela segunda vez... Ouço pessoas gritando, pânico e sinto os olhos de meu amado marido nos meus enquanto minhas pernas fraquejam e eu caio lentamente segura por seus braços.

Eu fui esfaqueada pelas costas e sei exatamente quem o fez...

Lágrimas caem de meus olhos, pois sinto que a hora chegou... Ele tenta estancar o sangue, mas a segunda facada atingiu alguma região muito delicada.

Sinto medo de nunca mais o ver, de nunca mais encontrar este grande amor... E ele parece ler meus pensamentos... E também sente o que vai acontecer...

- Confia em meu amor... (Ele me diz, olhando em meus olhos). - O meu amor sempre encontra uma forma de te reencontrar...

E com o som seguro das palavras do meu grande amor, eu me permiti partir, segura em seus braços, acalentando a paz que aquela promessa incutia em minha alma já saudosa da dele...