Obrigada pela sua presença no Blog do Mãos Que Curam!

Obrigada pela sua presença no Blog do Mãos Que Curam!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

E o terapeuta tem que ouvir cada uma...



E o terapeuta tem que ouvir cada uma... Ainda bem que nesta estrada aprendemos a moldar nossos instintos e orientar ao invés de pegar o havaianas 46 e dar uns petelécos.
-Paula suspendi o floral porque estava me fazendo mal...
-Paula parei de me aplicar o Reiki porque estava me dando efeitos emocionais negativos...
-Paula parei de usar a simbologia porque fazia aflorar coisas ruins...
-Paula não fiz o tema de casa porque me fazia mal e me deixava desequilibrado...
"EU ESTAVA MELHOR ANTES, SÓ COM AS COISAS RUINS QUE JÁ TINHA"...
Creio em Deus Pai, eu penso aqui com Wal, e a galera da luz.
Estava bem antes do floral, do Reiki, da terapia... Mas chegou se arrastando e não parava de chorar, reclamar, vitimizar - se e jogar a culpa nos outros ou em si mesmo.
De tudo, o que eu posso dizer é: - Deixa de ser preguiçoso querido ser em busca de luz. O Reiki, os florais, a terapia ou seja lá o que for do bem, nunca vai te fazer mal. Isto é uma desculpa da sua mente consciente ou inconsciente para você não se ajudar, para continuar na zona de conforto, mesmo que esta zona seja algo muito ruim para você.
O que eu digo sempre e vou repetir quantas vezes for preciso é: - A iniciação de Reiki ou qualquer outra ferramenta de luz, os florais, as terapias direcionadas para libertação, vão fazer vir a tona a escuridão que você esconde, a rebeldia que tem te direcionado para o lado errado, a raiva que você omite para se enquadrar em um papel que não consegue dar conta. As ferramentas terapêuticas nunca, grave, nunca vão te fazer mal se você estiver em mãos responsáveis e seguir as orientações. O terapeuta pode lidar com seu consciente e na maioria das vezes, nós vamos no seu inconsciente para entender o que se passa e precisamos te encaminhas para ferramentas seguras que vão fazer sair de dentro de você o lodo, a escuridão, o ódio, a maledicência, a autossabotagem, o medo, o desequilíbrio que você mascara para viver uma vida de alienação e mentiras para si mesmo, que não te deixam ser ou alcançar o que você sabe que merece. Então, se há algo saindo e você não está gostando, vou te dar uma dica, ajoelha e agradece, pois se não saísse para fora, você nunca iria chegar onde deseja, pois para ter luz, é preciso acender a lâmpada da sua consciência e enfrentar seus monstros.
Enfrentar que você se sente vítima, enfrentar que você está agindo errado, enfrentar que você é acomodado, enfrentar que você alimenta uma rebeldia prejudicial e tantos outros comportamentos, não é fácil, dói, revira, machuca, faz chorar e espernear...Mas só há um caminho para a cura e o sucesso, conhecer quem você é, o que há na sua escuridão e torna - los seus aliados NA LUZ. Enquanto você não parar de alimentar inconsciente seus pontos desequilibrados, nada vai mudar na sua vida. Quando você aprender a transformar seus pontos desequilibrados em aliados, tudo vai mudar.
E não tente mandar seus "defeitos" embora, talvez ainda seja preciso conviver por longos anos e ou vidas com eles, mas é no aprender a conviver com suas falhas que você faz aliados dentro de você e se fortalece, usando a força dos defeitos e desequilíbrios para alimentar seu poder de transformar - se e ao mundo a sua volta.
Com todo meu carinho e respeito, desejo que você tenha olhos de ver, ouvidos de ouvir e foco de realmente fazer o tema de casa que o terapeuta te dá.

Obs: Tudo que está ruim, na verdade está se preparando para ficar muito bom... Só depende de você entender isto e envidar o esforço necessário...

O ÁLCOOL E O QUE ELE FAZ COM VOCÊ SEM QUE TEUS OLHOS FÍSICOS VEJAM:


As pessoas acham que eu não tenho altos e baixos... Sim, eu tenho, muitos, a minha única diferença no meio da maioria, é que eu escolhi resolver, descer seja lá onde estiver meu inferno astral e liquidar a vitimização, subindo com a minha carta de alforria em mãos...E disto, ensinar outros, que realmente desejam moldar – se e parar de repetir os mesmos erros e as mesmas do – lo – ro – sas dores...
A noite já ia alta ontem e eu olhei para ele e suspirei internamente, sentindo aquela antiga dor de outras vidas, onde eu o via alcoolizado. Mas não senti a raiva do passado, nem o medo, senti a maturidade visitar minha consciência, minha alma naquele momento, porque havia muito que eu me preparava para não mais precisar daquela situação em minha vida. Olhei para os olhos e para o semblante com resquícios de álcool e a voz alterada e quis sentir pena de mim mesma, mas me corrigi, pois sempre que eu sentia pena de mim, inconsciente, eu acabava brigando com ele para fugir de me enfrentar.
Naquela noite uma enorme consciência tomou conta de mim, fruto da minha busca interna e de tudo que eu relembrava olhando para ele... E fui embora, sem mágoa, sem raiva, sem ameaças de minha parte, sem chantagens emocionais da minha mente, sem desejar inconscientemente que um dia ele sentisse a dor que sua escolha pelo álcool um dia tinha causado na minha alma. Eu estava consciente que todas as vezes, vidas que eu o havia encontrado, eu tinha escolhido estar com ele e ninguém tinha me obrigado a estar ali... Bem pelo contrário. Segui meu rumo em paz e deixei que ele fosse dormir. Eu via ao lado dele um imenso mago negro que o manipulava e me afrontava através da voz dele e eu tinha toda a certeza do mundo que não desejava passar uma noite toda ao lado daqueles dois e da energia do álcool, eu queria era a segurança e a sobriedade do meu mundo tão lindo, cheio de paz que eu tinha construído a cada vez que tinha me arremessado com ele, em outras vidas, a um despenhadeiro de dor, vício, álcool, traições e desespero. Era um ser querido ao meu coração? Muito, mas eu me amava mais e naquele momento eu sabia para onde ele seria arrastado ao adormecer e não queria estar por perto.
5h da manhã... Acordei em minha cama, em minha casa e ouvi quando Wal me disse: - Vamos descer ao Submundo, enquanto tu desfaz o contrato deturpado com esta pessoa, vamos organizar terreno para que ele seja amparado.
Concentrei – me e logo um vento estranho começou a soprar meus cabelos e meu rosto. Eu já me encontrava no Submundo, em zonas de sofrimento, vícios e escravidão. Olhei ao meu redor e a galera do Bem estava comigo em peso, eram tantos, prontos para libertar tanta gente lá embaixo que eu me emocionei.
Caminhei segurando na mão de Wal e na minha mente eu rogava o amparo do mais Alto, do Mentor desta pessoa e pedia que eu me libertasse, pois a libertação dele só cabia a ele mesmo decidir se desejava.
Conforme eu me aproximava presenciei um enorme campo de força energético erguido, como um escudo protetor, mas na verdade era uma prisão, de onde eu ouvia gemidos. Olhei a fenda que o amado Arcanjo Miguel abria para que entrássemos e no mesmo instante meus olhos avistaram o ser encarnado que eu me despedira naquela noite, alcoolizado.
Chorei, chorei a ignorância que faz da mente e da alma uma escrava de prazeres terrenos como o álcool... O qual ceifa sonhos, corpos, saúde e amores... Ele estava amarrado com as mãos para cima, judiado, em pé, como um escravo em um tronco... Meus olhos seguiram ao redor e presenciei milhares de encarnados ali, amarrados, embriagados, sendo sugados, judiados, drenados e chipados pelo mundo inferior.
A bebida alcóolica tem rumo fiel quando o “viciado” ou usuário “sociável” a ingere: - O Submundo e a escravidão.
Fiquei parada o olhando e pensei nas famílias na crosta da terra que viviam aquele inferno, aquela dor emocional e moral e nos inúmeros casamentos que se desfaziam como meros enlaces sem vida...
Esperei Wal agir e me mostrar o que fazer, eu não queria mais correr para aquela pessoa amarrada por mais uma vida, tentar soltá – la, chorar minha alma e minhas dores femininas enquanto ele fazia as próprias escolhas e me obrigava a seguir acatando a dor eterna de segui – lo e renascer com ele para tentar “salva – lo”... Quem tinha que se salvar ali era eu, pois eu sabia com todas as forças do meu coração que não era ao lado de alguém assim que eu queria passar meus dias na terra.
Wal me pediu que desse a volta por trás dele e olha – se em suas costas. Obedeci e um aparelho, como uma caixa preta estava acoplado nas costas do encarnado amarrado. Abri com delicadeza e observei o inumero emaranhado de botões, minúsculas alavancas e luzes que piscavam. Olhei Wal e perguntei o que eu fazia, o que desligar primeiro diante de tantas coisas...
- Tu podes ajudar – te desligando um de cada vez, em momentos diferentes ou pode apertar este botão e desligar a ligação de vocês dois de uma única vez, mas há um porém...
-Qual?
-Se desligar geral terá de arcar com os resultados, pois poderá afastar – se dele definitivamente, libertando – o e libertando – se...
Eu pensei em tudo naqueles pequenos instantes, pensei nas cenas de todas as dores de outras vidas que vivi ao lado da dependência alcóolica dele, dos filhos que amparei sozinha, da solidão que enfrentei e também pensei no quanto eu gostava dele ainda... E naturalmente minha mão desligou o botão geral, pois eu já sabia a força que tinha para sair de tudo aquilo equilibrada e consciente de minha decisão.
- Ele não vai mudar e já foi franco contigo minha querida, e por um momento tu envergou a venda da ilusão e deseja crer que ele irá abandonar a bebida definitivamente. Ele já disse que irá diminuir, mas que não irá parar... Aceite isto consciente e madura e decida se fica ou se o deixa partir.
Eu escutei a voz carinhosa do Wal ao meu lado, quando se ajoelhou na terra poeirenta comigo e eu senti dor mais uma vez... Mas desta vez foi uma dor estranha, dor de quem se vê como nunca se viu antes, forte, consciente e resoluta do caminho a seguir e com quem seguir.
Chorei e Wal beijou – me a testa, enquanto eu via o encarnado ser liberado das cordas que o prendiam pelos pulsos... Segurei aquela alma tão querida em meus braços e eu não sentia ressentimento com a conduta dele, com as escolhas dele, por mais que me machucassem... Eu sentia amor, perdão e libertava o passado machucado. Eu precisava sentir carinho por ele e deixar que o universo nos conduzisse dali em diante. Fiquei um longo tempo ali, ajoelhada na terra solta com ele, meio zonzo, meio adormecido, hipnotizado, em meus braços e fiquei pensando em como eu queria acordar dali para frente, em como eu sonhara ter minha vida desde que me entendia por gente...
Enquanto isto, outros espíritos da legião de Mãe Maria, Arcanjo Miguel e Comando Ashtar soltavam outros seres alcoolizados e os deixavam repousar em braços de seres como eu, ainda vivos e ali, aquela hora, para ajudar...
Wal me mostrou um musgo preto e um cordão de energia negro que entrava pela garganta e narinas do encarnado que resgatávamos, o qual o prendia e enrolava – se na garganta.
Olhei Wal e ele foi franco e direto: - Esta energia plasmou neste homem devido a tua mágoa, raiva e não perdão por tudo que aconteceu entre vocês. Cada energia escura que tu vê ali é de um momento de brigas entre ambos, de abandono, de choro e gritos, de palavras dolorosas que trocaram em momentos em que ele bebia... De certa forma, mesmo sem saber, as brigas que tu travou para salva – lo, sem equilíbrio, ajudaram a jogar ele ainda mais na bebida e no lodo. Se toda alma soubesse como ajudar seus amores perdidos nas drogas, muito sofrimento seria evitado. Tentam salvar brigando, cobrando, aos gritos, ameaças, suicídios ou sendo coniventes, permissivos demais.
Se cada alma feminina conseguisse respirar por um momento e enviar amor a estes homens embriagados ao invés da sua dor íntima por serem colocadas na situação de protetoras de seres que se matam com a bebida, estas seriam capazes de remover montanhas e chegar ao cume, carregando consigo estes, ou sua sanidade ao deixa – los para trás por não desejarem segui – las e ter uma vida equilibrada...
...Alguém veio, era Maria, mãe do amado Cristo e me pediu que o deixasse sob os cuidados dela, pois eu tinha de seguir com Wal para resolver mais coisas ali naquele lugar.
Na espiritualidade superior, Maria comanda um gigantesco pavilhão hospital e falanges de seres do bem em prol de suicidas... Pois quem usa de meios ilícitos ou lícitos para drogar – se, torna – se um suicida consciente ou inconsciente.
...Eu me sentia cansada com a energia do lugar, a aridez da respiração, da terra em minhas narinas, do choro, dos gemidos... Wal removeu o equipamento que colocara em minha cabeça para eu conseguir estar ali mais consciente e lúcida e quando abri os olhos eu estava sob uma linda árvore, em um gramado verde e cheio de luz.
Descanse alguns momentos, pois vamos a três lugares ainda hoje. Obedeci prontamente e tratei de me recompor.
...Quando percebi meus pés já pisavam um gigantesco pavilhão acoplado a muitos outros, como uma imensa fábrica no Submundo.
-Aqui são feitas bebidas com teor energético e ectoplasma dos seres que tu viu amarrados no pátio. Os mais lúcidos são usados como empregados e também doam ectoplasma viciado para contaminar a fabricação das bebidas alcóolicas na terra, nas fábricas terrenas. Aqui os engenheiros do Submundo desenvolvem aparelhos de última geração para viciar e alienar qualquer um que na terra bebe, seja socialmente ou compulsivamente.
Quando estes encarnados ingerem a bebida viciada com a energia que é fabricada aqui, tornam – se fantoches quando saem do corpo, pois os guardas os esperam na cabeceira da cama para fazerem destes escravos sexuais, para que sejam vampirizados, manipulados, usados como escravos na fábrica ou em qualquer outro local aqui que precisem ser remanejados.
Observei os funcionários trabalhando, enquanto seus corpos dormiam na terra e realmente pareciam zumbis, enquanto engenheiros inferiores maquinavam sobre mapas, localidades e novas implantações sobre a terra, novos pontos onde poderiam distribuir drogas, fábricas e fazer mais escravos.
-O objetivo maior dos chips extrafísicos inseridos na bebida é alienar e ir, sem que se perceba, contaminando o corpo orgânico para que se viva menos sobre a terra e para que se percam oportunidades de evolução. Quanto mais famílias desestruturadas, mais energia de raiva, mágoa e culpa para fazer material viciante, ou seja, a matéria prima das bebidas.
Wal me conduziu por uma escada de metal onde em um escritório “chefes donos” debatiam entretidos, sobre um grande mapa de um corpo mental, como desenvolver tecnologia ainda mais avançada para que a espiritualidade superior e “bocós” como eu, não conseguissem desativar.
Olhei o material e a segurança e relaxamento com que debatiam sobre vidas, famílias, almas e destruição de lares e reencarnações e fiquei quietinha... Ali não tinha uma ponta de dó, de culpa, dor ou remorso, o que valia ali, era aqueles espíritos acordarem na terra, entrarem em seus corpos físicos e ganharem dinheiro com suas grandes estatais.
-Vamos a outro local.
Segurei firme a mão amada do meu Mestre e fui conduzida a um pavilhão hospital, não muito longe dali. Quando percebi já estava lá dentro olhando centenas de macas sem limpeza acomodando espíritos femininos sobre elas.
-Aqui é muito sujo para elas ficarem.
-Isto para os chefes não importa, eles usam estas mulheres e suas dores pelo que enfrentam com seus pais, maridos, irmãos, filhos, filhas, para drenarem a energia de raiva, mágoa, dor, desespero que sentem e canalizam para adormecerem ainda mais a vontade deles de libertarem – se. Torna – se uma roda viva de dores que só faz aumentar o uso, as recaídas, suicídios de ambos os lados por não conseguirem vencer o demônio mental do vício.
Todas que estão aqui são doadoras, dormem infelizes na terra, cheios de culpa e rancor por não conseguirem mudar quem amam, por serem trocadas pela bebida e acabam sem saber, ajudando os chefes a desenvolver mecanismos viciantes que aprisionam a todos como escravos. Se ambas nos escutassem, deixando um pouco do ressentimento e culpa de lado, poderiam mudar de psiquismo e realmente ajudar e ajudar – se.
Eu sabia, eu sentia que um dia eu havia saído daquele lugar, que um dia eu tinha sentido tanta solidão e mágoa por viver com alguém que usava drogas... Eu sentia e sabia o que elas estavam sentindo, atreladas aquele lugar, a decisão de sentirem pena de si mesmas e de não tomarem uma atitude equilibrada para conviver com usuários ou deixa – los seguir suas vidas... Ou mortes...
-Há inúmeras formas de conviver na terra com um usuário, mas cabe a cada um decidir como quer passar por este ciclo... Com pena de si mesmo ou com a consciência de que precisam aceitar que não é pessoal, mas que cada um vive conforme suas escolhas particulares.
Havia gemidos ali, gemidos de mães, esposas, filhos, todo ser que sofria por conviver com um amor que usava drogas.
-Um dia cada um vai entender que os ciclos não são para alimentar dor e desespero, mas para tomar a decisão oportuna. Quem se encontra dentro de um problema grave como este esquece que precisa tomar atitudes embasadas e não ficar alimentando brigas, discussões infundadas para ver de quem é a culpa, brigas físicas e tantas outras coisas que sucedem – se entre quatro paredes de um lar desestruturado. Um dia entenderão que estão inseridos no problema para resolver e não complicar mais ainda. Sairão do ego que tenta modificar o outro e modificarão a forma como veem o outro e suas decisões. Sairão do ego e do jogo de poder e submissão e decidirão como gostariam de se sentir, de como gostariam de viver, com ou sem um usuário. Entenderão que não é o outro que vai lhes dar felicidade, mas a forma como decidem conviver com estas pessoas ou sem elas.
Não é a situação que fere, mas as escolhas de como viver dentro da situação. Por isso tu sente menos dor no contato com o uso de bebida que ele faz, tu decidiu como deseja te sentir junto dele, independente do que ele faça. Esta é a chave para a libertação. Ninguém coloca a culpa em ninguém e cada um vive suas escolhas, juntos ou separados... Cada um escolhe se vive o inferno ou o paraíso, por mais que o mundo externo esteja desabando.
Vamos, tu tens de buscar teus contratos.
Nem discuti, eu não sabia que contratos eram, mas minha mente inconsciente já sentia que era algo grave e que tinha chegado o fim de tudo aquilo.
Subimos mais um lance de escadas de metal e paramos dentro de um pavilhão de escritórios, cheio de chefes que me olharam com cara de poucos amigos. Segurei firme a mão de Wal e pedi que não me deixasse, como resposta senti ele apertar a minha e ficar ao meu lado.
-Quero TODOS OS MEUS CONTRATOS COM VOCÊS, já fui dizendo com educação.
Um deles riu alto e os outros acompanharam. Ele foi até uma gaveta, pegou um punhado de pastas e jogou sobre o balcão.
-Estão todos aí!
Eu senti que não era verdade e olhei Wal de olhos preocupados. Mentalmente ele me disse: - Peça o Contrato Rosa.
-Eu quero o Contrato Rosa!
As risadas sessaram e fui fuzilada com olhares. Ele se afastou e buscou uma pasta rosa e a arremessou sobre a mesa fazendo com que muitos papéis se espalhassem. Soltei a mão de Wal e esqueci tudo, esqueci Wal, esqueci as dezenas de chefes perigosos que estavam ali e puxei uma cadeira. Pela primeira vez era eu que não estava com pressa, pois eu sempre descia com pressa.
Comecei a ler os contratos da pasta rosa e senti vergonha, senti tristeza e ao mesmo tempo fui me perdoando por ter contratado aquilo tudo por estar machucada e ignorante. Eu havia contratado com os cirurgiões do pavilhão hospitalar as doenças que matavam corpos femininos em contato com homens drogados. Contratei que eu queria o câncer de mama, rins, bexiga, aparelho feminino e intestino. Contratei que viveria atrelada a um homem alcoolizado, nasceria de pai alcoolizado, em família de dependentes alcóolicos, contratei sem precisar que seria uma vida assim, pela eternidade...
-Que maravilha!! (Coloquei as duas mãos na cabeça)!! – Parabéns para minha raiva, pelo rancor, pela ignorância... Que me levaram até aqueles contratos e me fez assina – los.
Sem saber de onde tirei aquilo cuspi sem me preocupar, mandando: - Quero a pasta cinza!
Silêncio no recinto, gente furiosa e Wal com sorrisinho nos lábios.
Logo uma pasta cinza aterrissou sobre a mesa, na minha frente.
Peguei ela e nem ergui a cabeça: Lá estava: Pasta de contratos com “fulano de tal”.
Minha mágoa, raiva, ódio por tudo que passei me ajudou a contratar com minha “vítima ferida” o seguinte: - Vou ser ajudada a ter força, foco, persistência e vou destruí – lo para que sinta o que me fez sentir.
-Parabéns outra vez!
Nesta hora eu já conversava comigo mesma esquecendo de todo mundo ali. Eu sentia pressa agora, pressa de rasgar tudo, de sair dali e ser livre do rancor das mulheres que fui e que tinham contratado tudo aquilo. Eu nem queria mais me livrar do peso de viver com alguém alcoolizado, eu queria era me livrar de tudo que eu escondera em meu inconsciente até agora.
Rasguei os contratos com os chefes e juntei cada pedacinho pra garantir e acomodei nos meus braços, junto com a pasta rosa e cinza e pedi para Wal me tirar dali.
Abri os olhos e estava outra vez sob o pé de árvore e no gramado de luz. Na terra já eram 7h e 20 min.
Quando olhei para o horizonte vinham duas crianças, um menino e uma menina e meu filho atual. Olhei eles correrem na minha direção e chorei desesperada de alegria. Era Pedro, Bianca e Kevynn, os filhos de outras vidas que tive com esta pessoa e que tive de criar sozinha, que presenciaram o inferno, o álcool e o desespero. Eles me abraçaram entre risadas e os pequenos me disseram: - Mãe, tu perdoou ele, agora vai ser só alegria, tu está livre e nós estamos muito mais porque sabemos que teu coração sorri.
Choramos abraçados, deixando as mágoas, as tristezas e dores para trás. Deixamos o medo que sentíamos daquela pessoa quando bebia, dos seus gritos, da sua voz eclodindo em nossas almas aflitas e nos abraçamos outra vez.
Ele já havia evoluído muito e nós também. Todos estavam escolhendo seus caminhos e a vida não seria como nas outras vidas.
Os filhos me beijaram, acariciaram e ficaram ao meu lado enquanto mentalmente eu criava uma intensa energia para transmutar os contratos que havia trazido comigo. Eles foram ficando cheios de luz e as assinaturas e letras viraram pássaros e voaram para o alto, enquanto eu me sentia livre, sentia que dispositivos graves iam me liberando e apaziguando.
A bebida não era mais um fantasma que eu tinha que assumir. Eu poderia seguir em frente e não precisar mais disto, fosse de pai, de marido, de qualquer pessoa na minha vida.
Eu estava consciente e esta consciência me roubava qualquer sensação de medo ou angústia. Eu sabia que comportamento deveria assumir e onde queria acordar todos os dias da minha vida preciosa e cheia de caminhos lindos.
Eu não desejava mais aquilo e havia decidido ir embora aos poucos, com calma, com paz, com respeito, com carinho...
E você, o que deseja para sua vida, para seus dias, para seu corpo, mente e alma?
Com que tipo de comportamento ou pessoa você deseja dividir seus dias, sua vida, seus sonhos?
Como você deseja se comportar com este ser daqui para frente?
Desça naquele seu inferno astral, seja ele qual for e o enfrente com muito amor, consciência e respeito.
Gratidão.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Porque estes pais?



Contratos Sagrados:


...E você, já se perguntou por que precisa estar no “rótulo de filha ou filho” destes pais?
O que está dentro de você, que você veio curar e eles despertam em você?
O que você precisa aprender e eles, e o comportamento deles está tentando te ensinar?
Porque você os escolheu? Porque sua energia os atraiu?
O que você ainda guarda dentro de você e os culpa? Será que não há um pouco deles dentro de você e você não quer admitir?
O que você escolhe daqui para frente, ser seus pais, culpa – los ou ser livre, fazer diferente?
Deixe partir a projeção que você coloca sobre os ombros destas pessoas e assuma sua força, sua total responsabilidade, seja um empreendedor, siga em frente, faça da dificuldade um degrau!!
Você já parou para pensar que é ou será pai ou mãe e que seus filhos vão rotular você e culpa – lo? Ensine aos seus filhos a serem livres para analisar através do aprendizado que a situação ou pessoa tem para oferecer e não o ensine a alimentar a vítima!
A vítima amargura eternamente, o empreendedor usa as ferramentas para crescer e ter autonomia.
E então, você nasceu para ser, vítima ou um empreendedor?


Com todo meu carinho, minha experiência, meus erros e meus acertos.

ASS: filha, mãe, profissional, vítima,ser humano, alma, empreendedora,

Uma hora a gente cansa...



Esta noite Wal (meu amado Mentor Espiritual) colocou minha cabeça cansada no colo e me disse assim:
-Quando você sabe o que quer tudo se transforma em paz;
Todo afastamento gera uma nova aproximação;
Toda trincheira erguida vai ao chão e se transforma em ensinamento;
Toda briga gera um processo interno de reconciliação;
Toda dor, gera meios para a cura;
Qualquer sensação de solidão gera oportunidade de autoconhecimento;
Faz da tua estrada um local coberto de flores onde teus pés, a cada pedra, transformem - se em ninho seguro que santifiquem a chegada ao teu coração;
Transforma a tua alma crística em um templo sagrado, onde cada visitante tenha de seguir o ritual do dono deste local santo, tenha que limpar os pés para visita - lo, pois o responsável por ele aprendeu a descalçar - se para adora - lo.


Wal...

Boa noite.

E agora?



Você até pode ser a mulher certa, mas o cara errado, sempre será o cara errado .
Bom dia e deixa de ser teimosa!! Enquanto o errado não for libertado, o certo nunca vai se aproximar. Se te causa mais caos do que paz, não é amor, é apego!!
Tem coisas e reencontros que realmente precisam acontecer na sua vida, mas ele tem um tempo para durar, um ciclo para concretizar, tentar manter além do programado é sacanagem com você mesma.

Obs: E isto serve para os meninos também, que estão presos em relacionamentos que só atrasam...

Nascendo em casa outra vez...






Hoje acordei chorando, apesar de toda minha busca espiritual não é fácil perder um amor... Fechando 3 anos que perdi teu corpo adorado, mas tu ainda latiu depois da morte física para me dizer: - Olha Mãe!!To indo com eles, mas eu to bem, fica tranquila.
Logo depois eu me divorciei e fiquei só, o medo da noite, dos ataques espirituais era aterrador e eu lutava a braços com invasões feias em meu quarto...Um dia ele entrou e seu espírito deitou aos pés da cama, em sentinela, lambia minha mão nas noites mais difíceis e nunca mais deixou que alguém entrasse ali e tentasse me machucar espiritualmente. Tua alma foi meu arrimo na solidão, na dor da tua saudade e eu sou grata por te ver e te ter fora daquele corpo que eu amei.
Lobo renasceu!!!!


‪#‎LOBOamoreterno‬
E é tanto amor que tu renasceu e voltou para meus braços outra vez

Você quer salvar sua relação com seu irmão (a)? Projeções emocionais deturpadas entre irmãos.





Você quer salvar sua relação com seu irmão (a)?

Projeções emocionais deturpadas entre irmãos.

A primeira constatação é: - Você não é a vítima da história triste e nem eles.
A segunda constatação: - Você que planejou estar onde está e se relacionando, ou tentando relacionar – se com estas pessoas. Por que você fez isto, já que é um caos? Bem, seu Eu Superior, sua consciência equilibrada, sabia que você era capaz de sair com sucesso desta empreitada, simples assim.
Terceira constatação: - Você nasceu exatamente na família, na casa, com os pais e irmãos que precisava... Você não está no lugar errado e sendo forçado, sem um motivo, a encarar estas pessoas e comportamentos.
Quarta constatação: - Seu irmão ou seus irmãos são gatilhos seus para disparar o que você veio curar... E você é o gatilho que eles precisavam para curar o que trouxeram.
Quinta constatação: - Então, depois de todas estas constatações, não há mais como se sentir uma vítima, como alimentar a mágoa, a raiva, o ciúme e a projeção, culpando – os pela sua situação e pelo que você está sentindo, ou pelo que você passou.
Hora de encarar o que VOCÊ VEIO FAZER AQUI e deixar amadurecer esta relação com você mesmo.
Há uma lei universal, igual a de ação e reação, que explica o seguinte: - Tudo que há no outro e que você repudia, não gosta, julga, aponta o dedo, há em você... Ou já houve... As pessoas só estão em sua vida por um motivo, te ensinar algo muito bom e nunca para ficarem te ferindo. Entenda, aceite isto, trabalhe em cima desta perspectiva e elas vão embora...Ou ficam e se tornam seus grandes amores.
Tenho atendido casos de familiares que estão em um verdadeiro caos emocional, lançando suas mágoas, sua revolta sobre o irmão, pois este ganhou mais, tem mais, consegue mais... Recebeu mais amor, mais brinquedos, mais atenção, mais respeito, mais proteção...
E eu pergunto então, e o que isto despertou dentro de você? Qual foi a emoção desequilibrada que brotou em você, enquanto você crescia e assistia a toda esta cena?
É aí que iniciamos o caminho de cura, de perdão sobre os pais, sobre os irmãos, pois você está vivendo exatamente o que sua mente inconsciente acredita que precisa, por mais que isto te machuque. E só cabe a você cicatrizar isto ou continuar se ferindo e jogando a culpa no comportamento ou na personalidade do outro.
Seu irmão (ã) também está na família certa, na casa certa, com as pais certos e com você... A personalidade dele não tem nada a ver com o que você está sentindo, ela só te mostra o que você esconde aí dentro e quando você entender que ele também suporta sua personalidade, você vai ver que ele também tem de lidar com seus arroubos, seu comportamento, seus posicionamentos. Então, é uma família toda lidando com suas personalidades congênitas, ou seja, emoções que vieram ser curadas e que precisavam de todos vocês unidos para aflorar e ser equilibradas.
A escolha primordial é: - Vão continuar engalfinhando – se, acusando, culpando , brigando e magoando, donos de verdades mentirosas e enganadoras, armadilhas que roubam o tempo precioso que vocês tem para aprender a harmonizar e assumir sua parcela, ou vão assumir sua parcela , arregaçar as mangas e ir em busca do que vieram fazer?
A grande maioria cai na armadilha da encarnação, ou seja, acreditam que estão sendo magoados, acreditam que não ganharam o que mereciam, acreditam que foram injustiçados, acreditam que precisam brigar e mostrar sua mágoa toda hora ou, pior, remoer para si mesmo a dor que sentem por não terem a vida de seus sonhos satisfeita. Entenda que enquanto você não encarar o que veio fazer, esta vida não vai rolar, não vai rolar sentimento. Uma vida harmoniosa só começa a acontecer quando você fica em paz por dentro, a sua família só é esta porque você vive estes atritos internamente e precisava criar no externo algo que lhe mostrasse o que seu inconsciente faz com você aí dentro. Os outros só fazem com você, o que você mesmo se permite fazer com você e se não está gostando do tratamento que vem recebendo, mude sua forma de agir com você mesmo.
A grande sacada é: Se você não ama realmente seu irmão (ã), você não precisa sentir culpa, a grande maioria das pessoas passa uma vida toda se culpando inconsciente por não sentir amor pela família, pelo outro. Ninguém é obrigado a sentir amor por alguém e aí está a grande sacada, nós estamos aqui para começar a desenvolver este sentimento, primeiro harmonizando – nos com nós mesmos, sabendo o que queremos e o que não queremos e depois levando isto para a relação com o outro. É no harmonizar relações, tentar assumir nossas projeções e tirar esta responsabilidade dos ombros do outro, que iniciamos o processo de viver bem com o outro. Nesta viagem de auto – percepção vamos esvaziando o fel e vamos encarando que é com nós, está em nós a mudança e que o outro está ali nos ajudando com seu comportamento.
- Mas, Paula como alguém pode estar me ajudando com este comportamento horrível que tem?
Não foque o comportamento do irmão, ou do outro, foque o que este comportamento dispara dentro de você: raiva, mágoa, ciúme, tristeza, ódio, vitimização, indignação... E foque – se na emoção que você descobriu. Trabalhe em cima dela para minimizar, para que você a domine e não mais ela te domine.
A mente é um guardião muito sagaz e manipulador, porque para você não entender que você é responsável pelo que está sentindo, ela vai te fazer colocar a culpa no outro, ver os defeitos do outro, o comportamento do outro e vai fazer você odiar alguém, tudo para que você não descubra que você é o responsável por esconder esta emoção traiçoeira. De ajudante seu, seu irmão passará a ser o grande culpado pelo que você sente. Sua mente é capaz de fazer você somatizar um câncer para não deixar que você descubra que o motivo deste câncer é uma emoção desequilibrada que você esconde...
Ela é capaz de fazer você odiar alguém que você traçou e nasceu para amar, para perdoar, para harmonizar e pelo menos não sentir tanto rancor... Sua mente inconsciente será capaz de te fazer ficar sozinho, abandonado, só para você não ter alguém que te ajude, mesmo com um comportamento inadequado, a ver o que você guarda dentro e veio reconhecer e curar.
É por isto que os profissionais da psico estão aqui, porque a mente é sagaz e um desavisado, VOCÊ, pode não perceber o que ela está fazendo, os subterfúgios que usa para te ludibriar, iludir e te atrasar. Estamos aqui para te direcionar, por que na maioria das vezes, sozinho e no meio do caos, você não vai conseguir entender tudo isto.
Se você está tendo dificuldades com seus irmãos ou com um em específico, ou eles com você, é hora de parar tudo, deixar o ego, o orgulho e a arrogância de se achar sempre o certo de lado, e conversar com você mesmo: - O que é que meu irmão, meu “ajudante enviado por Deus”, está tentando me mostrar com seu comportamento?
- O que é que está aflorando, gritando dentro de mim, qual emoção tenho que focar para curar?
Seja grato ao irmão que nasceu contigo, não estou dizendo para você aceitar desrespeito, grosserias, mal comportamento, mas que você veja o outro lado desta história triste, o lado em que ele ou ela, aceitou nascer contigo e que só ele poderia despertar em você esta emoção desconhecida.
Valorizamos muito os amigos que nos tratam com amor e carinho, mas nossa mente inconsciente e teimosa muitas vezes não consegue curar algo só com gentilezas e melosidades, muitas vezes ela pede alguém que bata de frente conosco, com nosso ego, alguém que tranque pé e nos faça surtar dentro da maldita emoção que nos corrói e que só salta para fora porque aquele “amor de pessoa” está ali cutucando, PEDIMOS ALGUÉM IGUAL A NÓS, COMO UM ESPELHO, E ASSIM, NÃO TEMOS COMO ESCAPAR, POIS TEREMOS DE CONVIVER COM NOSSO EAPECTO OCULTO NAQUELA PESSOA, NO REFLEXO DAQUELE ESPELHO.
Quando você for mais dócil e mais aberto, vai começar a curar suas emoções através do amor, de pessoas que venham cheias de gentileza e te digam: - Olha fulano, tu tem de focar isto para curar, pessoa linda, mimosa, adora!!
Enquanto você acreditar internamente que precisa sofrer para curar, o Uni com certeza, vai te obedecer e vai te enviar um irmão difícil, mais amado, mais abençoado, mais acariciado, mais protegido, mais grosseiro, mais egoísta... Para te ajudar.
Tudo que acontece com você, inconscientemente, ou conscientemente, você está fazendo aqui fora... Ou dentro de você. Pense sobre isto, reflita, medite... Por que a mente vai tentar te fazer acreditar que você não merece o que está vivendo e que todo mundo é vilão: Pai, mãe, falta de pai, de mãe, irmão mala, sogra cobra, marido traidor, esposa alienada, filho mal agradecido, vizinho purgante, cachorro desobediente...
Ninguém é vítima, ninguém é o vilão.
E se você não está encontrando as respostas do que está vivendo no aqui e agora, no seu inconsciente, saiba que provavelmente você também está resgatando aquela mãe alienada e que abandonava que você envergou um dia, aquele filho mal agradecido que você foi quando era o Joãozinho da outra vida, A Mariazinha maléfica e que separava todo mundo lá na idade da pedra... A sogra tinhosa que queria manter todos os filhos debaixo da asa e que destruía casamento de filhos...
Nada se sucede por “acaso”, pelo amor de Deus, eu sempre digo que acaso é um rótulo que alguém inventou para fugir de suas responsabilidades, pois fica mais fácil ter algo ou alguém para jogar o fardo.
Vocês desceram, renasceram juntos por que com toda certeza sabiam que poderiam se perdoar, acalmar, reconstruir esta relação, Teu Poder Superior, o Deus que você acredita jamais deixaria você assumir uma responsabilidade que você não tivesse forças para encarar e sair vitorioso. Isso é lei, é fato!!
Se não aceitarem resolver esta relação agora, TERÃO DE RENASCER JUNTOS MUITAS OUTRAS VEZES ATÉ HARMONIZAR. Renascerão como mãe e filho, marido e esposa, irmão e irmã e por aí vai o rosário de reencontros.
Saia da armadilha e pare de perder tempo com brigas, afastamentos, discórdias, foque em resolver.
Pare de perguntar: - Meus Deus por que eu, por que comigo, sniff, sniff, sniff!!!
Mude para: - Meu Deus, como posso resolver isto?
E te digo, quando você entoa o mantra para resolver, cara me arrepiei, a galera da luz desce em peso e te movimenta, movimenta a escuridão das brigas , das mágoas e te ergue nas alturas para que nada te atinja mais, para que aquele irmão não adorado se torne o grande amor da tua vida!!
Cheguei a me emocionar agora com esta energia!
Bora lá, encara que algumas vezes a relação de vocês ainda vai esquentar, mas foca em resolver, baixa tua guarda também e escuta o que ele precisa dizer, não te ofenda com as verdades sobre você que ele precisa desabafar... O desabafo só vale quando é permitido vir dos dois lados, você também tem obrigação de saber o que ele sente para mudar o SEU comportamento.
Não cuspa palavras e saia sem dar oportunidade, você não é tão guerreiro e decidido? Então fique e encare a briga, encare o coração que vai se abrir, a mágoa que vai sair e não se sinta responsável pelo que seu irmão sente, mas seja o “ajudante” que ele tem sido para você. Ajude – o a entender que o que ele sente é dele e que você só é o gatilho...
Depois, bem, depois tudo serena, tudo volta para o lugar.
Na minha casa, na minha família, os que realmente querem se harmonizar entre si tem uma lei, uma regra: Quebra o verbo, bota pra fora a mágoa, o fel, grita, chora, fala tudo, não deixa para depois... Mas nunca, nunca entra em uma briga em que você não está disposto a ouvir e melhorar.
Quem briga e decreta: NUNCA MAIS!!! Não está disposto a consertar ou melhorar algo.
Deixe as brigas, discussões, mágoas entre família vir para fora, só assim se cura algo... Depois acalma o gênio e senta para conversar como gente grande que vocês são.
Mágoa e afastamento é armadilha, desvia todos do que vieram fazer...
Resolva, resolva, resolva, resolva... Quem não quer resolver vai ser removido, isto é certo.
Bem, acredito que de alguma forma isto vai ajudar.

Com todo meu amor, carinho e respeito, desejo que vocês se entendam, pois eu te conto uma coisa: -Se eu consegui no tempo em que era uma alienada... Você consegue, pois a informação está na tua mão, pronta para te guiar e entrar no teu coração.
A decisão só depende de você... E nunca do outro. Faça sua parte que a parte do outro é responsabilidade dele.

A você mulher linda que está passando por uma separação, um divórcio, eu só tenho uma coisa a dizer: Cresce intensamente, vence todas as barreiras, cria as tuas oportunidades e a tua estrada, fecha o ciclo definitivamente e foca em te conhecer e sentir o teu potencial, pois se você focar em conhecer - se e defender com o coração o que você realmente quer, o ciclo novo será regado a amor, paz, prosperidade e auto - amor, pois quando você defende e prioriza a pessoa que você é, tudo que você atrai vem para somar e não para perturbar.
Quando você sabe quem você é, o que você quer, o universo entende o comando perfeito e te envia a tua programação Original, aquela que você estipulou junto ao seu Protetor Espiritual e nada... Nada se aproxima sem que você saiba lidar.
O foco é: Conheça - se! Busque ferramentas para solidificar tua personalidade, teus sentimentos mais puros, teus sonhos e objetivos e não se deixe desviar por nada nem alguém. Quando você não vive a SUA vida e vive a dos outros, não há como ser feliz e ter amor... Pois o amor começa quando você se escolhe e se torna sua protetora aqui na terra.
Que quem ou o que chegar na sua vida seja para somar o que você já é e o ser que você reestruturou e que não se viva mais de carências e escolhas que arrastam - se como fantasmas durante anos.

Ouça o que te alertam...



‪#‎níveldecarência‬ ‪#‎comendodoce‬ ‪#‎decolherdesopa‬

Uma vez alguém muito, muito amado me disse assim: - Paula, enquanto tu continuar com esta vida, com estas atitudes, com esta correria, com esta venda nos olhos, tu só vai acordar quando tu perder alguém.
No outro ano eu perdi alguém muito especial, para o qual eu nunca tinha tempo, para o qual tudo vinha antes e esta pessoa depois.
Depois deste dia eu parei tudo, eu fui me tratar, eu troquei de vida, de atitude e comecei a ver as pessoas antes do meu trabalho, antes da minha correria, antes do meu estresse, antes dos meus compromissos e chefes. Eu comecei a brilhar mais do que minhas panelas de casamento, comecei a limpar menos a casa porque a vida é muito curta para ser obsessiva todos os dias, passei a trabalhar com o que amo por que me faz sorrir e eu avisei o universo decididamente: - Daqui pra frente as pessoas que amo vem em primeiro lugar...E foi assim que aconteceu.
Hoje eu não perco mais ninguém e só me perde quem não tem tempo pra mim.
Eu não faço exigências descabidas, não me importo quanto você tem na carteira, qual seu título, como é a sua casa, de onde você vem, o que você faz... Eu só quero saber se para onde você vai tem espaço pra mim sem eu precisar pedir.
Se alguém te quer na vida dela, você não precisa fazer força para estar lá, ela vai te colocar na vida dela, porque sempre houve espaço para você.
Tenha espaço na sua vida para os amigos, para a família, para os seus animais, para você.
Ficar com você e cuidar desta pessoa que você é, vai te ensinar como tratar os outros e principalmente quem você ama.
Se você não tem tempo nem para você, com certeza o uni vai remover afetos, pois onde não há tempo e espaço, onde não há prioridades, não tem lugar para mais amores. Onde não há prioridades que respiram e sentem, não floresce corações, não sorriem almas... Não acontecem loucuras deliciosas de amor e amizade...
Quando você chegar lá em cima e sentar para rever o que fez e o que não fez, vão te perguntar: - O que você fez do seu tempo, com quem investiu, fez o que desceu para fazer?
Desejo de coração que você não tenha que responder que o investiu em lustrar o carro dos seus sonhos todo final de semana e nem em lustrar os móveis e panelas.


Você já sabe o que tem que fazer, pare de ficar achando desculpas.
Desculpas só alimentam sua vítima interna, decisões certeiras te levam a viver a vida que você sempre sonhou.
Seja frio, calculista e direto com você mesmo, com as suas atitudes e o emaranhado de "auto - desculpas" que você tem A MANIA de inventar todos os dias. Disto depende a sua realização e a sua felicidade.

-O que você faria se te roubassem as desculpas e sobrasse apenas o caminho do que você sabe que merece? ‪#‎ficaadica‬


Wal

‪#‎euteimando‬ ‪#‎acaboouvindo‬ ‪#‎oquetánacara‬

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Aceita que dói menos...


Não tente mudar uma pessoa, mas também não aceite qualquer uma e qualquer comportamento. Há comportamentos que são primordiais para um bom relacionamento amoroso e só quem realmente ama e deseja estar junto faz questão de manter isto, por mais que um dia não agisse desta forma. A presença do outro muda o outro, porque são os bons exemplos que movem multidões.
Se você muda e mantem sua mudança sob qualquer tempestade o outro é inspirado a fazer o mesmo para manter sua linda companhia... Se o outro não está disposto a manter esta lei primordial, vá você buscar outra alma que está pronta para te receber e te manter entre respeito, amor e concessões para o bem de ambos.
Bom dia ... e pare de tentar moldar alguém para você, quem realmente está destinado para estar ao seu lado vai fazer as concessões necessárias para ambos evoluírem juntos e pelo amor.

Ressignifique...



Não aceite ser o próprio construtor da rotina que te mata todos os dias, por anos... E muito menos aceite fazer parte de uma rotina que mata dois ao mesmo tempo, sem que ambos percebam que empenharam todas suas forças e construíram uma vida de "contas para pagar e pensar todos os dias, uma vida em que passam um pelo outro dentro de casa e as risadas morreram e os abraços roubados ficaram escondidos em algum canto escuro deste relacionamento que pede socorro todos os dias e vocês fazem questão de fazer que não ouvem... Desconstrua a vida de "pré- ocupações", de problemas em tudo, de lutas diárias e cansaço e ressignifique seus conceitos sobre vida e vida a dois.
Vida é o que pulsa no seu coração, é a intensidade que sua alma grita que quer viver e vida a dois... Bem, na minha opinião vida a dois é onde esta pulsação dupla se encontra e explode em felicidade e o resto que não nos pertence que o universo de seu jeito de fazer acontecer.
Fica a dica com todo meu carinho... Pois viver a morte em vida e ver o outro ao lado morrer em nossa história é a pior forma de viver sobre a face da terra. Levanta e sacode as velhas concepções e crenças sobre o que você veio viver e faça um favor a si mesmo: - Viva de verdade e com um baita sorriso neste rosto lindo!!



Paula Aguerre Aguerre/ Psicoterapeuta Transpessoal.

Autoconhecimento já!!



Você já parou para refletir que talvez quem tenha que mudar é você?
Parar de endeusar alguém;
Parar de espernear;
Parar de repetir sempre a mesma ladainha;
Parar de atrair gente e situações que se repetem uma vida inteira;
Parar de atrair um chefe ou emprego que não te faz nem suspirar de contentamento;
Parar de achar que está sempre com a razão;
Parar de pensar sempre negativo;
Parar de fazer tudo por alguém e acabar se intrometendo na evolução deste ser;
Parar de se sentir preso;
Parar de dizer que tomou uma decisão, mas nunca a leva adiante;
Parar de fazer que está vivendo;
Parar de sonhar e nunca deixar chegar;
Parar de ficar enfurnado em um relacionamento que não te faz nem cócegas;
Parar de crer que amanhã vai ficar tudo bem e este amanhã nunca chega;
Parar de prometer o que não pode cumprir;
Parar de passar panos quentes em quem te fere e você continua alimentando;
Parar de viver a vida dos outros;
...
Só é escravo aquele que se sente e se comporta como tal. A primeira missão que você acordou LÁ EM CIMA, foi a de mostrar a você mesmo que você tem o direito de viver a vida dos seus sonhos e que seu autoconhecimento vai lhe dar de presente, sem dores desnecessárias, esta vida de sonhos. Acorde da alienação em que você está e comece a atrair as oportunidades para viver esta vida tão sonhada.


Dica de ouro: Primeiro você... Segundo você... Terceiro você...
Enquanto você não estiver bem e vivendo o que realmente sabe que traçou, você não vai ter qualidade para atrair o que quer e nem ajudar quem você tanto deseja.

Bom dia !!
‪#‎autoconhecimentojáááá‬!!

Viva para desarmar...



- O que você faz da vida?
(A pessoa me pergunta com ironia e enfado).
-Ensino as pessoas a terem FOCO CONSTANTE...
(Suspiro e sorrio do fundo da alma).
-E o que isto significa, significa que tu estudou todos estes anos para atender gente preguiçosa?
(Ela me olha e pergunta armada e sem curiosidade).
-Significa que as oriento e ensino a resolver tudo com muita paz...
(Ela me abraça do nada...)



OBS: Nunca entre na energia do outro, quando este outro não está bem, use a simplicidade e o resultado pode te surpreender e você poderá tocar outra alma... Não há nada mais lindo do que ter o merecimento de tocar outra alma, porque a alma é sagrada e o Guardião só permitirá que você toque - a quando suas mãos e palavras estiverem iluminadas pela boa vontade de ajudar a desarma - la.
Viva para desarmar...

quinta-feira, 2 de outubro de 2014


Eu acredito que você precise saber o que te ataca...





Há algum tempo atrás eu fui gatilho para a raiva de uma pessoa. O que eu sempre explico é: gatilhos são todas as pessoas e situações que afloram em você o que você veio curar. Então a pessoa ou situação não é a culpada, ela está ali só para te fazer ver e sentir que você trouxe algo para curar. E você veio curar o que eclodir dentro da situação ou com o contato com a pessoa: raiva, mágoa, tristeza, ódio, maledicência e tantas outras emoções negativas. Bem, durante o período do dia que transcorreu eu lidei com o mental desta pessoa, ou seja, com os ataques mentais que ela enviava. Pessoas que explodem com todo mundo, que usam da grosseria, gritos, ameaças, deveriam compreender que precisam de ajuda terapêutica, mas preferem crer que tem toda a razão de agir desta forma com quem cruzar o seu caminho.
É incrível o que uma personalidade que trás a raiva, o ódio incutidos para curar são capazes de fazer com a mente, mesmo que inconsciente. Vou contar o que esta mente enviava inconsciente: - Quero que tu morra!
Quando detectei este comando, claro, não sou boba, ahahahahah, na hora eu me protegi e iniciei um processo de conversar mentalmente com esta pessoa, o que não adiantou. Volta e meia eu me pegava discutindo com ela mentalmente, envolvida no padrão desequilibrado do que ocorreu e me corrigia. Passou um dia inteiro e o desejo desta mente invadia meu espaço. Usei as simbologias de calma, corte de sintonia, armaduras protetoras e nada...
Houve um momento em que o ataque mental foi tão intenso que eu perdi o equilíbrio e quase me machuquei... Lá fui eu traçar mais um símbolo de proteção, sabendo que era ataque externo. Respirei, conversei com o Mentor desta criatura e ela não aceitava a calmaria.
Era uma energia de opressão que eu sentia com os ataques, sabe aquele aperto no peito, aquela ansiedade estranha que não sabemos de onde vem? Pois é, muitas vezes estas sensações querem nos dizer que estamos sendo atacados externamente e não que vamos morrer de ataque cardíaco.
Sei que fui até a noite tentando ser complacente, pois eu também fico perigosa quando ultrapassam meu limite, e era o que estava acontecendo, e isto é gatilho para despertar minha personalidade EXTREMISTA, ou seja, a raiva que eu vim curar. Eu sabia que não poderia entrar na sintonia dela e a culpar pelo que eu estava sentindo, ela era o meu GATILHO, lembram? E cair na armadilha de baixar o padrão de equilíbrio para me igualar ao dela seria burrice da minha parte.
Conversei com Wal e pedi orientação, ele me disse: - Te protege, logo tu vai saber o que fazer. Foi o que fiz, atendi até a noite controlando os ataques externos.
Quando você entra em atrito com alguém, isto pode se arrastar por dias, meses, anos, uma vida toda, ambos engalfinhados mentalmente, se sentindo mal, sem entender de onde vem. A dica é: - Se proteja, não discuta mentalmente, não alimente conversas mentais com o ser, enfim, desvie seu pensamento o máximo possível do ocorrido e tente se desvencilhar.
Bem, fim de noite e a pessoa ainda envolvida em me atacar mentalmente. Respirei, pedi luz do discernimento e me posicionei de frente para ela mentalmente e perguntei: - Vai continuar me atacando?
Ela não recuou com tudo que haviamos tentado durante o dia, e não recua com ninguém, então:
Eu invoquei o meu poder, o respeito ao meu limite, que já tinha ido para o espaço fazia tempo com todo aquele ataque e disparei o que eu sei fazer de melhor: Simbologias de conscientização!!
Mandei um tsunami de luz, empurrando o ataque energético da mente desta pessoa e vi quando ela recuou definitivamente!
Wal ao meu lado disse: - Tem mentes tão arraigadas em acreditar que são donas da verdade e que ferem os outros com seus ataques verbais, físicos ou mentais e não retrocedem, que somente provando do próprio ataque que irão sossegar!
Entendi que ela ia ficar com toda a gama de ataques que estava enviando, para aprender que aquilo feria as pessoas, que aquilo não era culpa de terceiros, mas uma raiva, um ódio intenso que ela sentia de si mesma e tentava fugir de resolver, encarar, projetando nos outros, em quem cruzava seu caminho.
Quando tomei esta atitude de ser firme e mandar de volta para o campo dela os ataques tudo serenou, tudo silenciou, tudo ficou normal...
Senti muito por ter de ter sido desta forma, por esta pessoa não aceitar ajuda, mas, assim como aprendemos pela dor em alguns momentos, outros também aprendem pela dor até entender que não tem o direito, mesmo que inconsciente de invadir com ataques, sejam este quais forem, o território sagrado do outro.
Tudo passou, a ansiedade, o aperto no peito, a conversação mental, os comandos agressivos...
Mais um aprendizado...
Se você sente tanta raiva ao ponto de inflar seu corpo, os que te rodeiam não tem culpa, você precisa ter consciência e ouvir quem te ama, quando te dizem que você não está bem e precisa de ajuda. Dizer que você precisa de ajuda não é um ataque, é um gesto de amor. Se você não consegue se controlar, vou te dar a dica de ouro que dou aos meus pacientes: - Te encerra no quarto quando o surto vier, avisa o povo que não está bem e que não quer ser interrompido e "afófa" a tapa, soco, chute o travesseiro... O travesseiro e não as pessoas que te amam.
Grita com o travesseiro, dissemina seu fél com o travesseiro, fala suas "verdades desequilibradas" para o travesseiro. E só saia do quarto quando esvaziou este turbilhão, só depois disto você tem o direito de se direcionar a alguém e falar alguma coisa... com calma. Por que ninguém vai te dar ouvidos enquanto você berrar, falar o que quiser e ser grosseiro. Quando VOCÊ muda, todo o resto muda.
Aprenda pelo amor, pelo auto - esforço em se autocorrigir... Antes que alguém mais equilibrado tenha que, junto com os Mentores, deixar que volte para você o que você está enviando de ataques para os outros.

OBS: Você também pode atacar alguém e não só ser atacado, preste atenção nisto e mude seu foco mental.

Fica a dica para refletir.
Bom dia!!

Gente viva contratando assassinato com gente morta, no Submundo?



Esta semana atendi um paciente e no momento do escaneamento energético fomos identificando pontos comprometidos, ou seja, órgãos com excesso energético. Os olhos e pâncreas eram os mais comprometidos. Enquanto eu estava concentrada em fazer a drenagem energética para que não ocorresse uma lesão física ou orgânica, um espírito com vestes negras ficava ao lado, me observando e vez ou outra interferindo com sua mente no meu trabalho. Olhei Wal concentrado trabalhando e perguntei se o que eu começava a ver era real, pois fiquei duvidosa e receosa ao mesmo tempo, o que eles me deixavam ver era grave demais para não se ter o cuidado de averiguar profundamente. Wal me pediu concentração, o que para a Paula é como pedir que não questione por alguns minutos.
Procurei obedecer, mas confesso que minha mente teimava em ser racional e questionar o que me deixavam ver.
- Wal, como que eu vou dizer uma coisa destas para uma pessoa?
-Como que vou ter certeza, vai que a pessoa encasqueta com esta informação e acaba fazendo errado a orientação?
- Como vou falar isto, vai que o paciente acha que sou louca ou quero ganhar dinheiro com esta questão, porque a pessoa pode ficar apavorada e querer vir fazer escaneamento toda hora? Acho melhor não contar nada e a gente tentar ajeitar isto!!
Wal nem me olhou naquele turbilhão que eu estava, continuou ali, cabeça baixa, removendo sei lá o que, porque tem coisas que ele faz ali que minha vã filosofia nem desconfia, ou iria entender.
Continuei fazendo meu trabalho e me concentrando para fazer as remoções do que competia a mim e acabei achando uma sonda astral, ou seja, um treno feito de
energia, conectado ao pâncreas do paciente que estava ligada ao "moço de negro" ao lado. Quando identifiquei a sonda já começaram as ameaças e ele iniciou um processo de me confundir para que eu não entendesse o que estava fazendo com o paciente. Aí a briga para ver quem conseguia mais foi acirrada, porque ele me fazia pensar em tudo que era coisa para não ajudar o paciente.
Fui seguindo em frente e consegui remover a sonda que conectava os dois e tive de dar um "nó" no pedaço que ficou no paciente para que não se conecta - se ao outro indivíduo, assim, Ouccassim aproximou - se e me ajudou a envolver aquela região em um grande curativo, até que em outro momento conseguissemos remove - la por completo.
- Esta sonda drena a energia de tristeza que o paciente sente, ele há muito anda triste, trouxe esta personalidade para curar. (Disse - me Wal). - Com esta energia de tristeza este desencarnado e uma encarnada arquitetam uma morte sem "suspeitas" para este paciente.
Fui escaneando os olhos dele e tive de drenar o excesso de energia ocular pelos pés, pois o acúmulo era grave e poderia ocorrer uma lesão na região do cérebro.
-Este excesso de energia dos olhos faz parte do plano, pois quando este paciente vai dormir, seu espírito é conduzido por esta "viva" e este desencarnado, e nos laboratórios do submundo, ele é feito cobaia para que uma futura morte venha a acontecer.
- Como assim futura morte? Ele vai morrer?
- Não é a programação dele, mas desavisado, ele está auxiliando com sua tristeza para que estes seres tenham uma porta por ode entrar e ataca - lo. Se ocorrer algo com ele na terra, um acidente orgânico ou até um acidente externo, conseguirão que pareça ser algo natural, sem que as pessoas percebam que havia influência destes dois.
- E o que esta mulher quer com isto?
- Ela está bastante inconsciente do que faz, mas porque na terra quando acordada não quer admitir que tem maquinado este evento contra o paciente. Ela quer interferir no que é dele na terra, ou seja, ela tem interesse em posses físicas e está tendo abertura para isto da parte dele.
- Mas porque temos que contar isto para ele, ela está inconsciente quando acorda e nem lembra que faz isto...
- Ele precisa aprender a se defender e tu, já que aceitou este trabalho com os Contratos Sagrados tem a competência para ensinar isto a ele. As pessoas precisam de ajuda para entender o que seus olhos físicos não veem, e é hora de aprenderem a se cuidar e parar de depender sempre da espiritualidade superior.
-E o que ele precisa fazer, e se quiser saber quem é, isto seria perigoso, ele saber quem é...
-Não precisamos saber quem é, o importante é ele ser orientado a dar um basta de forma consciente, sentar em um momento de meditação com ele mesmo e estipular um limite para o que está ocorrendo, para o que está deixando que façam com ele.
- Certo... E se ele achar que sou louca?
- E tu te importa com isto?
- Não, eu sei que jamais falaria algo que eu não acreditasse...
- Então faz o teu trabalho com este amor e deixa que ele decida o que pensar sobre o que tu vai explicar.
Continuamos trabalhando e eu pensei em quantas janelas deixamos abertas para acidentes que são inexplicáveis... Em quantas emoções ou atos alimentamos que depois são usados pelo Submundo para nos atacar...
Aquela mulher era alguém que ele se relacionava, alguém que de certa forma confiava...
E aquele ser desencarnado era um inimigo que se aliara a ela para vingar - se ou apenas servir aquela mulher viva...
Eles arquitetavam uma morte sem culpados, gente como a mente é inteligente... Quem iria se prejudicar se iria ser um acidente causado pela energia dele e não por mãos externas? Ali eu filosofei: Seria um crime perfeito... Se não fosse WAL NA RETAGUARDA, AHAHAHAH!!!!
Eles tinham dois caminhos perfeitos para uma morte, estavam transformando a tristeza dele em porta para desequilibra - lo e fazer com que o PACIENTE, fosse culpado, como se fosse um suicida inconsciente, que se mata sem saber que é um suicida... Ou, se não fosse assim, seria uma atração de um acidente externo, pois o excesso de energia que drenavam e faziam ficar acumulado no organismo dele faria com que atraísse um acidente de carro, uma queda... Um acidente vascular cerebral natural, sem causadores externos, sem assassinos externos...
Fiquei ali vendo ela descer ao Submundo e arquitetar e quando acordava na terra, não lembrava de nada, mais um ótimo álibi... Me sentia em um filme de suspense, onde cada fechada de olhos para me concentrar, eu descobria algo inusitado.
...Paciente sentado na cadeira de orientação e eu rezando aos céus que ele entendesse o que tinhamos para orientar e que o importante não era saber quem estava arquitetando aquilo, mas o que fazer para reverter o plano que ele mesmo alimentava. Confesso que já tinha participado de muitas coisas no Submundo, mas nunca de planos de assassinatos...
O importante não é saber de onde vem os ataques, mas como se posicionar para que eles cessem definitivamente.
O cuidado maior é na consciência das emoções que carregamos, os desequilíbrios emocionais que podem deixar todo tipo de portas abertas para ataques...
Por isso autoconhecimento é a grande Lei de Evolução, sem esta chave... Nada feito. Vai um momento em que as outras pessoas não podem mais fazer por você o que só você pode fazer por si mesmo.
Fizemos de tudo ao nosso alcance ali, cirurgias, remoção de chipagem extrafísica,doutrinação, curativos, drenagem, energia de apaziguamento do paciente, insuflamos mais energia de alegria nele, descemos ao Submundo para eu entender e saber explicar o que ele tinha de fazer...
E de tudo, era só o paciente que poderia resolver aquilo...Orientado poderia desvencilhar - se...Mas só se confiasse e fosse em frente...

Contratos Sagrados #amotutambém!!


Acabou? Terminou, seja lá o que for?

-Vai ficar no papel de vítima e viver da dor da solidão ou vai olhar com outros olhos e viver as delícias da liberdade?
Tudo pode ser visto por um novo prisma, tudo tem dois caminhos, dois polos, negativo ou positivo.
Desejo que você escolha, agora, o que melhor encaixa com sua nova fase....

Acredite...



É assustador, acordar, depois de anos de trabalho intenso sobre si mesmo, de busca, autoconhecimento e a ficha cair... É assustador para a vítima que existe dentro, acuada, medrosa e que muitas vezes se faz forte para conseguir sobreviver, descobrir que a tristeza é só um comportamento vicioso... Que apesar de todas as terapias, de todo o autoconhecimento gerado em busca de respostas, de todos os remédios, de todos os choros e ranger de dentes, esta tristeza de milhares de vivências tenha que ser enfrentada de forma lúcida, consciente como agora.
É assustador perceber que a resposta sempre esteve ali e que só com maturidade ela seria aceita.
É assustador entender que este comportamento nunca irá embora se não houver uma mudança mental, de foco, de sintonia. Que ela só irá partir quando houver uma decisão definitiva:- Sempre que você vier me assombrar eu decido focar o lado bom, o lado positivo e sair da sintonia da dor e da solidão, arrumando formas de não mais te alimentar.
Entender que alimentamos é um passo lindo no processo de suavizar, porque se entendemos que alimentamos é hora de não mais alimentar. E quando mudamos de atitude perante um comportamento vicioso, ele perde forças e deixa de ser o monstro eterno que sempre nos amedrontou.
Assusta entender que alimentamos, assusta, mas é um presente ter maturidade para entender que só está ali porque encontra abertura em nós... E que só irá embora quando tomarmos uma posição definitiva, autocorrigindo incansáveis aquilo que virou habito doentio.
E agora inicia o processo maravilhoso de autocorrigir, parar de alimentar a vítima indefesa que acredita inconsciente que merece passar por esta dor e focar na personalidade decidida, que cansou disto e quer vivenciar as maravilhas de se sentir de outra forma.
Pense abertamente sobre tudo que você sente, porque todo comportamento emocional é um comando interno que diz: eu quero ser pobre ao extremo, eu quero sentir raiva, eu quero sentir tristeza, eu quero sentir dor, eu quero sentir solidão... Se você está enfrentando algo assim e nunca vai embora, é hora de aceitar que é você que alimenta e que é hora de decidir mudar o comando mental para aquilo que você realmente deseja sentir.


Escolha em qual vibe você quer curtir sua vida aqui, neste momento, tudo é uma questão de decidir o que você quer: Viver a solidão e a dor, seja ela qual for ou estar passando por isto, mas sem alimentar a porção que te fere, focando o lado guerreiro e que um dia não mais precisará desta sintonia?
Bom dia !!

Paula Aguerre Aguerre
Psicoterapeuta/ Contratos Sagrados 2014

Quando você começa a gritar com seu parceiro... é porque os corações estão bem longe... um do outro."
Quando você está intolerante, agressivo, mal humorado, impaciente... Os corações já acostumaram a viver dentro da mesma casa e estar separados, mesmo que os corpos ainda deitem juntos ou cruzem um ao lado do outro entre quatro paredes... E aí, vale a pena aproximar e fazer a ponte ou deixar partir e viver ao lado de um novo coração que te faça falar sussurrando e cheio de amor?


Enquanto continuar buscando por corpos, terá relacionamentos instáveis, sexo puro, solidão e aquele vazio na alma... O dia em que aprender a buscar por outra alma, terá uma vida de amor, companheirismo e essência.


Bom dia!!


As pessoas estão tão preocupadas em encontrar o amor que esquecem que o amor é algo que se constrói e que, enquanto aquele que veio construir conosco este sentimento bate na porta dos reencontros, estamos desesperados no quintal, catando trevos de quatro folhas.

Bom dia, com Wal já no meu encalço !!

‪#‎Wal‬

domingo, 21 de setembro de 2014

As nuances que envolvem os bastidores dos suicídios.





Não tenho receios de dizer que antes do meu equilíbrio e de minha formação na área da saúde mental eu fui paciente e uma mente focada no desfecho do suicídio. Ainda recordo o tempo de desequilíbrios emocionais e mentais em que estive inserida no meio do turbilhão que se transformou minha vida na fase em que tomei contato com minha mediunidade e não sabia o que era e por que eu sentia todo aquele mundo que os olhos físicos não podiam vislumbrar.

Lembro pouco dos momentos de crises, pois dentro deles, era um fio tênue, onde eu estava equilibrada e de repente um gatilho me levava para dentro da crise inconsciente, onde eu me debatia entre o planejamento da minha morte física e a vontade de estar fora de toda aquela situação. Lembro a última vez em que eu planejei e ia cumprir... Lembro que eu estava tão desesperada e perdida internamente e até hoje me admiro do meu poder de manipular as pessoas para que elas não notassem o que eu sentia ou desejava fazer. Era incrível a linha tênue que me separava da realidade e da loucura, eu vivia perambulando entre elas sem nem ao menos divisar onde iniciava uma e onde começava a outra, tão unidas estavam.

Naquele período eu lembro que a dor emocional era grande, pesada de mais para que eu conseguisse suportar sozinha, eu tinha nas mãos a responsabilidade de um recém nascido, minha adolescência desequilibrada, o divórcio traumático dos meus pais e uma paixão desde o período infantil que me deixou sozinha para cuidar de uma criança, a qual eu nem sabia exatamente como aceitar, como cuidar, como entender... Por trás do que eu demonstrava, dos sorrisos forçados e do choro que eu reprimia, eu me sentia enlouquecida, cega de medo e sem nenhuma luz no fim daquele túnel no qual eu tinha me inserido por imaturidade, imprudência e teimosia.

Naquela noite, depois de muitos meses sem dormir e com aquela criança ao meu lado, onde todos me cobravam responsabilidade e atitudes e me culpavam por aquele desfecho, eu entrei em surto, caminhei pela casa alienada, chorando desesperada e sem conseguir raciocinar direito, eu sentia dentro do meu peito e de minha consciência que eu jogara fora todos os meus sonhos, todos os planejamentos e que havia perdido tudo que me dava arrimo e forças para seguir... Sentia que tudo que eu fazia não era suficiente para aqueles que me cobravam e exigiam uma postura que eu não me sentia pronta para arcar... Naquela noite eu estava sozinha em casa, só eu e uma criança... Eu ouvia vozes que sussurravam aos meus ouvidos que eu não era nada e que eu devia ir embora por que eu me tornara um fardo e uma derrotada, pois colocara tudo a perder com minhas escolhas... Eu estava tão enlouquecida com aquela voz que sussurrava aos meus ouvidos cansados, aquela criança que não dormia, chorava, exigia tanto das minhas forças físicas que eu era um pálido fantasma do que eu fora um dia... Que eu ergui tão alto o volume do som, com uma música eletrônica, que o barulho era insuportável e me ajoelhei no chão em desespero, chorei tanto, tanto que me senti ainda mais sem forças... Naquele instante eu pedi por algo que me soerguesse, que me fizesse entender aquela dor que eu tentava esconder de todos, para não incomodar... Eu rezei para algo, ou alguém, eu não lembro... Eu pedi que aquele desespero cedesse e que aquela voz invisível, que me agredia, me deixasse em paz...

Quando dei por mim eu estava na porta do corredor, indo em direção a gaveta de facas, na minha mente aquela voz já me explicava como eu deveria fazer, usando os pulsos, andei mais um pouco e senti medo, foi uma sensação de consciência, pois por uma fração de segundos eu havia fugido da realidade e estava obedecendo aquele impulso desesperado de acabar com aquela falência de futuro que me esmagava, com aquela dor que apertava e destruía meus sonhos e minhas possibilidades de me sentir melhor...

Naquele momento eu olhei a gaveta, vi as facas e vi o que deveria fazer com meus pulsos... E eu chorei, por que eu não conseguia entender direito o que se passava e como eu me encontrava naquela situação, decidindo por uma forma de acabar com aquela situação exorbitante que me arrancava tudo que eu havia sonhado e planejado... Neste momento eu chorei minha dor de outra forma, eu queria estar viva, mas eu não tinha mais forças para suportar o que eu estava vivendo. Eu amava aquelas pessoas, mas, não suportava mais ser cobrada a dar – lhes algo que eu não tinha forças para lhes retribuir... Eu sabia de minha responsabilidade com aquela criança que chorava noite e dia e que não dormia durante meses, mas eu não sabia o que fazer para aplacar aquele cansaço que eu sentia no meu corpo, na minha mente e na minha alma...

Eu segurei a faca e respirei... E uma voz suave sussurrou aos meus ouvidos com todo amor que eu não estava sozinha e que havia outra forma de vencer tudo aquilo, todo aquele desespero... Do meu outro lado a voz insuportável me disse para continuar...

Eu senti tanto amor na voz do outro lado que minha atenção se prendeu a ela... Era a voz masculina mais doce e amorosa que minha alma cansada e saudosa já havia escutado... Em meio a toda aquela dor e desespero, em meio ao cansaço e cobranças de todos aqueles meses, fora a única voz que não me cobrou, mas me fez acordar do transe e ver uma nova luz dentro do meu turbilhão de emoções... Ele soprou aos meus ouvidos que estava sempre comigo e que me amava, que eu me permitisse uma nova chance, pois dali para frente eu conseguiria um novo rumo, uma nova esperança para não sentir tanta dor...

Eu larguei o que tinha em mãos e fechei a gaveta...

Daquele dia em diante ele nunca mais ficou invisível aos meus olhos físicos, daquele dia em diante eu fui guiada para um novo mundo que estava apenas escondido dentro de mim...

Daquele dia em diante eu fui me recuperando aos poucos, ainda escondendo minha dor dos que estavam comigo... Daquele dia em diante aquela voz me levou a um mundo de autoconhecimento para que eu nunca mais me perdesse de mim mesma e desse o direito de outras vozes me guiarem...

Longos anos se passaram desde aquela noite em que rezei ajoelhada me preparando para não sentir mais aquela dor descomunal e aquela sensação de que todo mundo me abandonara. Daquele dia em diante eu dei o melhor de mim, aceitei meus monstros e fui em busca daquela sensação que a voz havia me falado, a qual me levaria a um mundo novo.

Embasada em minha própria dificuldade emocional e em meus registros inconscientes, ainda por muitos anos eu lutei desesperada e silenciosa contra o desejo do suicídio. Centenas de noites eu chorei desesperada e calada, e nunca mais esqueci de pedir que aquela voz amorosa me ajudasse a ter forças para seguir em frente...

Durante muitos anos eu me trabalhei para aceitar aquela criança, para aceitar o novo corpo que a maternidade me dera, a separação e os anos de dificuldades de meus pais... E o abandono da minha primeira paixão de infância.

Dentro de todos aqueles anos, eu escolhi cuidar de mim e no caminho a voz me mostrou que eu seria ainda mais completa e feliz levando atenção e autoconsciência para aqueles que sentiam o mesmo monstro em que eu me debatia silenciosa. Escolhi a profissão que exerço hoje e deixei meus “pré – conceitos” de lado, abraçando com amor e respeito aquela voz que me tirou da alienação do suicídio e me conduziu a um mundo de paz e amor. Deixei o lado tradicional e inseri no meu trabalho a parte espiritual que dava norte aos navegantes que debatiam – se com os vendavais do suicídio... Eu sabia o que estavam sentindo, eu era um deles e eu sabia que havia outra estrada e queria que um sopro suave os alcançasse antes de escolherem a morte do corpo.

No processo eu estudei durante anos, tive casos de suicídio dentro de minha família que se consumaram e virei uma observadora do mundo extrafísico que os humanos não viam... Atuei em muitos casos e cuidei do meu próprio na parte espiritual, enquanto eu escancarava minha alma para um psicoterapeuta que me ajudava a escolher minha vida enquanto minha mente rebelde gritava por um desfecho rápido através da morte.

Durante meu processo de recuperação eu passei por sessões de regressão onde um mundo inconsciente se descortinou aos meus olhos, eu havia sido uma suicida por mais de 400 vidas, num eterno desassossego de alma, rebelde demais para aceitar aquela voz que sempre viera soprar aos meus ouvidos que havia uma outra possibilidade de sair com êxito de tudo aquilo que me engolia e não me deixava vir à tona. Presenciei a vida da minha alma e o que morria eram meus corpos físicos e nunca eu mesma, pois depois dos desfechos trágicos, eu acordava em outros locais, sentindo os estertores das mortes que eu planejava e levava a cabo.

Presenciei o horror de viver anos, morta, e ao mesmo tempo viva, relembrando desesperada a cada minuto o ato de matar meu corpo. E a voz me explicou que eu era rebelde, teimosa e que sempre renascia para vencer aquele ato horrendo, mas nunca me permitia a paciência necessária para vencer e seguir vitoriosa em frente.

A voz me disse que eu era a criatura mais teimosa que já conhecera, e que minha teimosia um dia me abriria portas... Naquele momento eu não entendi o que ele queria me dizer, mas eu confiei na sensação que ele despertava na minha alma, na confiança que eu sentia na presença dele. Rebelei - me muito, muito mesmo, ao ponto de nem mesmo eu me suportar, mas eu aceitei que era hora de um desfecho diferente e eu estava cansada de me matar e não morrer nunca. Estava cansada de formular mortes e levar a cabo com todo tipo de ferramentas, do veneno, o tiro, ao câncer, que era hora de lutar contra eu mesma e não mais contra o que os outros me faziam ou exigiam, era hora de eu entender que a responsável era eu e que só eu poderia mudar aquela situação caótica. Eu não queria mais matar meus corpos físicos e acordar em locais espirituais de tortura, onde eu era arrastada para todo lado, mal tratada, ridicularizada, onde eu sentia dor eternamente e me via matando meu corpo e o sofrimento dos que eu abandonava por não aceitar a vida como ela se apresenta.

A voz me fez ver que eu queria controlar tudo e viver dentro de uma perfeição que não existia, quando eu me defrontava com pessoas ou situações fora do que eu queria, como forma de vingança, eu matava meu corpo, achando que me livraria de todos e de tudo...

- Coitado daquele que acredita que tudo acaba, eu digo que depois do ato do suicídio, aí é que começa tudo, por que você vai ter que ressarcir o que fez, você burlou a lei, matou, tirou a vida de alguém, mesmo que este alguém seja você mesmo. Infeliz daquele mais apressado e rebelde que não aceita o que ocorre e acredita que tudo vai se apagar e vai virar uma escuridão sem sentidos. Quando o suicida abre os olhos do outro lado, o que o espera é milhões de vezes mais grave e aterrorizante do que o que ele vivenciava em vida física.

Eu estava morta, mas continuava presa no corpo físico que se decompunha no local do assassinato...

Eu estava morta, mas continuava sentindo o veneno corroer minha garganta e meu estômago...

Eu estava morta, mas continuava ouvindo os gritos de desespero dos que me amavam e que eu colocara naquela situação terrível...

Eu estava morta, mas era arrastada por seres escuros pela eternidade a fora...

Eu estava morta, mas continuava sentindo o desespero que sentia antes da morte física...

Eu estava morta, mas continuava solitária, sem amor, sem braços que pudessem me tirar daquele lugar de sombras e gritos medonhos...

Eu estava morta, mas continuava sentindo frio, fome, medo e saudade...

Eu estava morta, mas continuava pendurada na corda, sufocada, tentando me salvar no último momento de desespero em que meu copo sacudia desesperado...

Eu estava morta, mas continuava, mesmo sem um corpo físico...

Eu escrevo e minha mente pensa sobre os milhares de adolescentes, crianças e adultos que se perdem através desta decisão... Não me importo se é forte ou não o que escrevo, por que eu escrevo com consciência de causa e não por que alguém me contou. Eu só quero que você saiba que a vida não acaba, a dor não acaba, a morte não existe e principalmente, eu quero que você saiba que por mais horrível que seja o que você está vivendo, há sempre uma voz carinhosa, um caminho diferente, que tenta te guiar e você cego nem nota, envolvido demais em pensar que tudo tem que acabar...

A única coisa que acaba é o sofrimento, por que ele não é eterno, sempre vai existir uma forma de você revalidar o que está vivendo...

Sempre que você tiver em um corpo físico, lembre – se que a dificuldade que está vivendo só lhe foi entregue por que você aceitou e teve certeza de que conseguiria vencer... Nada é colocado na sua vida sem que você tenha forças para resolver.

Saia do turbilhão, reza, ore, converse com alguém, com algum poder que você creia, ou queira crer, nem que seja ajoelhado escutando uma música infernal, desde que você peça ajuda, eles vão interferir. Nenhum protetor espiritual vai te ajudar se você não der permissão, eles te amam demais para interferir no seu livre arbítrio.

- Agora, cá entre nós, pois eu já estive no seu lugar e luto ainda contra esta personalidade suicida, se você quer matar seu corpo, não diga que não foi avisado.

- E eu repito para você, se você ainda não entendeu: - A morte não existe e a dor não é eterna. Você só tem em sua vida aquilo que vai te fazer ainda mais forte, se dê um voto de confiança antes de optar pelo suicídio e você vai se surpreender com sua força e seu potencial de vencer.




Obs:

“Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou o primeiro relatório global sobre o assunto. Uma pessoa tira a vida a cada 40 segundos no mundo. Em números, o Brasil é o oitavo país com o maior número de suicidas, onde teve quase 12 mil casos em 2012. A taxa, porém, corresponde à metade da média mundial, se for levado em conta o tamanho da população no país. A OMS aponta, ainda, que grupos vulneráveis como refugiados, imigrantes, índios, homossexuais e transgêneros apresentam índices superiores à média.

O suicídio mata 26 brasileiros por dia.

Fonte CVV”.



Paula Aguerre

Psicoterapeuta / Habilitação para Regressão Ética.


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Não sabe o que fazer quando tudo parece se repetir, quando tudo parece estagnar?




Volte para dentro, é dentro que está a segurança, é dentro que tudo acontece, é dentro que a liberdade está... Se permita voltar para dentro.
O mundo que habita lá fora é o reflexo do mundo interior. Enquanto eu não voltar para a verdadeira casa, nenhum lugar neste mundo será confortável e seguro. Enquanto eu não aceitar o que habita aqui dentro, nunca saberei como transformar o mundo lá fora.
Enquanto eu não ficar comigo, me respeitar e conhecer, nenhuma companhia vai acalentar o vazio da minha alma.
Está triste, irritado, confuso, depressivo, com raiva, com ciume, indignado, desmotivado, decepcionado, magoado, com medo, com pressa?
É dentro que eu vou resolver, é no contato com o que desejo e não com as reclamações que vou entender o meu limite e como me posicionar comigo mesmo.
Eu não preciso mudar o outro, porque a minha mudança tem o poder de modificar o meu mundo e este é o único mundo que precisa ser modificado.
Aprenda a ficar sozinho, aprenda a voltar para dentro, aprenda a se dar tempo e companhia de qualidade...
Quando você aprende a ficar com você, você sorri de forma verdadeira, você emociona - se, você entende o que é o amor e o respeito. Você aprende o que são limites e quais barreiras devem deixar de existir. Você entende o que é se sentir seguro, protegido, em paz...
Foi no aprender a ficar comigo que eu aprendi a sorrir de verdade, sem máscaras... E este foi o melhor presente que alguém poderia me dar, a sensação de prazer e companheirismo, um companheirismo que tinha de nascer em mim, aqui dentro...
Só assim você atrai alguém externo que possa te dar tudo que você deseja, somente quando você se der este presente, alguém vai chegar e alargar esta fronteira. Só neste instante alguém vai chegar e aumentar o que você já sente, pois ninguém pode te dar algo que você não tem... Por isso os relacionamentos fantasmas, que vão e vem de repente, deixando ainda mais dor e decepções...O outro não vai te dar algo que tu ainda não conquistou... E um dia ele vai embora e o vazio permanece... Aprenda a preencher o vazio com a SUA companhia.
Quando fico comigo mesmo eu me divirto, eu rio alto, eu consigo me soltar e entender o que mereço, porque ninguém consegue me mostrar o que eu mereço se isto não partir de uma compreensão interna...
Aprenda a meditar e tudo muda...
Meditar nada mais é do que ficar com você...
Bom dia !!


Obs: Não sabe fazer sozinho, há pessoas que podem te ajudar, não deixe para amanhã o conhecimento da presença, da melhor companhia que você poderia conquistar... A sua!!